Uma escola que “nasceu” há trinta e cinco anos, dois pólos no distrito e duas centenas de alunos(as) fazem a história da Escola de Bailado de Aveiro. O «Bairrada Informação» foi conhecer uma extensão da escola, situada em Anadia e implementada neste concelho há oito anos, e que no presente ano letivo conta com mais de setenta alunos(as).

Chegam de mochila na mão e vão direitas ao vestiário. Maria Eduarda e Maria Luísa, de cinco e três anos, têm em comum, se não mais que um ponto, pelo menos o de ambas gostarem de “dançar”. Sabem as regras: “Em primeiro lugar fazemos a chamada e depois sentamo-nos numa roda, onde cada uma tem um quadrado com uma cor diferente”.

A partir daqui vence a imaginação de uma “caixa mágica”, onde todas as crianças sabem que a “boneca” significa um calcanhar ao lado; “sapatos altos” colocarem-se em pontas dos pés; uma “bailarina” representa uma voltinha no mesmo lugar; um “polícia” é para marchar”; e o “pirata”? Esse, estica a perna!

E é assim, tão simples assim, que, em jeito de brincadeira, as crianças associam profissões e adereços a passos de dança criativa e de ballet clássico, que as farão em breve conseguir dar corpo a uma música inteira. Chamam-lhe, pelo menos as “Marias” com quem falámos, o “jogo das princesas”.

E às segundas, terças, quintas e sextas-feiras, das 16h 30m às 21 horas, a sala de ensaio da Escola de Bailado de Anadia enche-se de crianças e jovens com objetivos distintos: se para os mais novos, com dois anos, é tempo de “dançar a brincar”, para outros o foco é a prova anual feita por uma examinadora da “Imperial Society Teachers of Dance (ISTD)” e que começa logo a partir dos seis, sete anos.

“Em julho somos sempre visitados, nas três escolas e durante uma semana, por uma examinadora da ‘Imperial’. Este exame anual, a partir dos seis anos, é uma forma de os motivar. É isto que os faz evoluir!”, começou por explicar, ao nosso jornal, Maria Maia, professora de Dança Clássica e Dança Contemporânea e também responsável pela escola de Anadia.

Para além desta prova, que marca o final de cada ano letivo, as bailarinas “de palmo e meio” aprumam-se para apresentar bons espetáculos pela altura das férias de Carnaval, onde o Cineteatro Aveirense fica repleto de pais, avós, amigos e colegas de todos estes pequenos artistas. “Os alunos assistem a tudo, nomeadamente, à montagem de todo o espetáculo e entram, assim, numa dinâmica que adoram!”, explica a professora Maria Maia, fazendo alusão ao facto de, ao longo de todo o ano, fazerem espetáculos em outras salas da região, nomeadamente, no Cineteatro de Anadia.

E as alunas confirmam-nos isso. “Dançamos muito bem e, nesse dia, trazemos vestidos muito giros e de princesas”, descrevem-nos Maria Eduarda e Maria Luísa, referindo-se ao guarda-roupa escolhido a preceito para cada espetáculo.

Com a maior parte dos(as) alunos(as) a serem provenientes de Anadia, a escola tem, contudo, algumas crianças dos concelhos vizinhos da Mealhada e Oliveira do Bairro. “A idade ideal para se entrar na escola é dos dois aos sete anos, altura em que a aprendizagem dos passos se torna mais fácil e todos estão praticamente no mesmo patamar”, diz Maria Maia, mostrando-se satisfeita “pela maioria das bailarinas das três escolas terem crescido no seio das mesmas”.

Daqui, e para muitos deles(as), o sonho prossegue na Companhia Nacional de Bailado ou no Conservatório Nacional de Lisboa, locais onde a EBA já vai deixando uma marca…

 

O trabalho da Escola de Bailado de Aveiro, Águeda e Anadia pode ser visto em https://www.facebook.com/eba.com.pt/. Os interessados em mais informações podem fazê-lo através do contacto 917 126 931 e/ou do email anadia@eba.com.pt.

 

Mónica Sofia Lopes