A exposição “Sérgio Godinho – Escritor de canções” está patente, no Cineteatro Municipal Messias, na Mealhada, até 31 de outubro e as entradas são gratuitas. A mostra foi inaugurada na noite do passado sábado, dia 6, com a presença do artista.

“Sérgio Godinho – escritor de canções” procura sublinhar o importante contributo do cantor e compositor para a música portuguesa, nos últimos quarenta e cinco anos. “Pretende revelar a riqueza e diversidade criativa do percurso artístico de Sérgio Godinho como escritor de canções, compositor, escritor de livros, dramaturgo, realizador, actor e cantor, que tem reunido à sua volta e das suas canções outros músicos, cantores e públicos de diferentes idades”, lê-se numa nota de imprensa da Câmara da Mealhada.

A exposição, da autoria de técnicos da Câmara de Grândola, vai percorrer alguns concelhos do país, tendo sido o Município da Mealhada o primeiro a recebê-la. “Estão aqui meses de trabalho, mas é um trabalho interessante sobre a vida e obra de Sérgio Godinho”, referiu António Mendes, presidente da Câmara de Grândola, que esteve também presente na cerimónia de inauguração.

Para o autarca “seria pena que só o Município de Grândola tivesse contacto com esta exposição” e, por isso, “decidimos criar protocolos com outros municípios”. “A cultura é fundamental para o carácter de cada um de nós”, enfatizou.

Sérgio Godinho começou por elogiar a Câmara de Grândola pela iniciativa e a da Mealhada por ser a primeira a receber a exposição. “Sinto uma grande alegria pessoal. Aqui vê-se outras artes em que me envolvi, para além da música. Vê-se teatro, onde estive como actor; cinema, onde fui realizador; e literatura, em que já escrevi um romance e estou a acabar outro”, referiu o artista, elogiando o “Portugal dos dias de hoje, onde há uma panóplia de auditórios”. “Hoje, a música, a criatividade e a cultura estão muitos vivos”, concluiu.

Entre o disco inaugural “Os Sobreviventes” e o romance “Coração mais que Perfeito” vai a distância de uma longa viagem intensamente percorrida. A exposição integra também um espaço dedicado às crianças, centrado nas suas canções para a série “Os amigos de Gaspar” nos seus textos da “Árvore dos Patafúrdios” e nos livros “A Caixa”, “O Pequeno Livro dos Medos” e “O Primeiro Gomo da Tangerina”.

A exposição é complementada por um catálogo com fotografias e ilustrações, que inclui também textos inéditos de Sérgio Godinho, Nuno Galopim, Anabela Mota Ribeiro, Jorge Palma, Capicua, João Paulo Cotrim, Nuno Artur Silva, Viriato Teles e João Carlos Callixto.

Na noite do passado sábado, o músico privou com o público, aquando da inauguração da exposição, não tendo faltado os autógrafos e as fotografias.

A mostra, cujas entradas são gratuitas, pode ser vista às quartas e quinta-feiras, das 15h às 21 horas; e às sextas-feiras, sábados e domingos, das 15h às 22 horas.

 

Mónica Sofia Lopes