Apesar do tempo convidar a um mergulho no mar ou a um passeio pelo campo, muitas pessoas aproveitam o verão e o maior tempo disponível para realizarem obras de remodelação em suas casas.

Sejam obras de maior monta como trocar o telhado ou isolar termicamente o exterior da habitação, sejam remodelações menores que envolvam a pintura de uma divisão, a verdade é que, em muitos casos, para que prossiga com a obra terá que recorrer a financiamento externo.

O mais comum deles é o recurso a um empréstimo pessoal, mas há coisas que deve ter em consideração antes de partir para a adesão a este tipo de solução de crédito.

 

Fatores a considerar na contratualização de um empréstimo pessoal para remodelar a casa

Para além de ser importante ponderar em que moldes vai fazer a remodelação, estipular um orçamento, escolher os profissionais mais adequados para o serviço em questão e obter, quando necessário, as devidas licenças municipais, se vai pedir um crédito pessoal para fazer obras em casa deve ter sempre estes fatores em mente:

Definição dos montantes e prazos do empréstimo

A primeira coisa que deve ter em conta antes de pedir um crédito pessoal para remodelações em casa é a definição do montante médio do valor das obras e qual o prazo de pagamento do financiamento que irá pedir.

Simulação e Comparação

Dada a diversificada oferta no mercado de crédito, é importante comparar as condições e fazer simulações do empréstimo pessoal oferecido pelos vários bancos e instituições de crédito.

Termos do crédito

Na análise do mercado que fizer tenha em conta quando é que lhe vão pedir para pagar o dinheiro que pedir emprestado e em que condições.

O valor total a pagar pelo crédito depende do prazo de pagamento e das taxas de juro (que veremos mais em pormenor no ponto seguinte). Tenha sempre em mente que a mensalidade aumenta se escolher um período menor de liquidação.

Preste atenção a todas as informações do contrato, lendo bem as pequenas linhas antes de assinar.

Taxas de juro

Além do prazo de reembolso, da sua análise devem constar as taxas de juro e/ou comissões que possam estar associadas ao crédito pessoal.

A taxa de juro (TAEG) corresponde ao preço que terá de pagar a mais pela utilização do dinheiro que lhe foi emprestado. Quanto menor a percentagem da taxa, melhor.

Podem ainda existir comissões e taxas adicionais no crédito pessoal, como taxas extras por pagamentos atrasados, às quais convém estar atento. A somar a tudo isto, o crédito pessoal pode ainda pressupor a contratação de outros produtos financeiros como seguros, pelo que deve ter em conta todas estas variáveis.

Escolha do banco/instituição financeira

Depois de tudo devidamente analisado, a escolha deve recair num crédito pessoal que seja oferecido por bancos/instituições financeiras com uma credibilidade “à prova de bala” no mercado e no Banco de Portugal.

Simplicidade e Rapidez

Por último, ao contrário do que acontece em pedidos de financiamento de obras através do crédito habitação, apesar do crédito pessoal para obras ser menos flexível no pagamento, este não requer que o consumidor seja cliente da instituição onde o contratualiza ou tenha a necessidade de abrir uma conta, tornando todo o processo mais simples.

Além da simplicidade, como não é necessário que o cliente apresente ao banco o projeto de obras (ou seja, o orçamento previsto), o crédito pessoal é rápido e menos burocrático.

 

Exemplo prático

À semelhança do que acontece na maior parte do parque imobiliário português, a casa do casal Pedro e Isabel é demasiado fria no inverno e demasiado quente no verão. Como a situação se tornou incomportável e na ânsia de conquistarem uma melhor qualidade de vida, o casal resolve aproveitar a entrada no verão para colocar um isolamento térmico de capoto no exterior da sua casa.

Depois de consultados diversos empreiteiros, o melhor preço que obtiveram foi de 15 mil euros. Como não querem mexer nas suas poupanças, este casal resolve procurar uma solução de crédito pessoal no mercado.

Tendo em conta as nossas indicações prévias, o Pedro e a Isabel pesquisou a Internet em busca de um empréstimo que os satisfizesse e acabaram por encontrar a solução de empréstimo pessoal do Unibanco.

De modo a facilitar a vida de casais como o do nosso exemplo, esta instituição coloca ao serviço do cliente um simulador de crédito pessoal que lhe permite efetuar uma simulação de crédito pessoal (com possibilidade de seguro) para valores entre os €5.000 e os €75.000, bem como optar por prazos de pagamento que oscilam entre 24 e 84 meses.

Como o nosso casal pretende pedir 15 mil euros e pagá-los no prazo de 36 meses, o valor de mensalidade que obtêm é de 488,66 euros (TAN 10,250% e TAEG 13,2%. MTIC €17.988,13).

Seguros de que é uma proposta que cumpre os seus requisitos, o casal acaba por concluir o processo pedindo o seu crédito pessoal online, uma vez que no Unibanco todos os pedidos de adesão às suas múltiplas soluções de financiamento podem ser concretizados de forma 100% digital.

Assim, para além de usufruírem de um crédito pessoal rápido, o Pedro e a Isabel não terão comissões de abertura, vão poder contar com mensalidades fixas e, como o crédito pessoal Unibanco está disponível para clientes de qualquer banco, não vão ter necessidade de mudar de banco para a ele terem acesso.