O Instituto de Emprego e Formação Profissional (IFP) distinguiu o Município de Cantanhede como Entidade Empregadora Inclusiva e a respetiva insígnia foi entregue em 9 de dezembro, no decurso de uma cerimónia realizada no Convento de S. Francisco, em Coimbra, com a presença da secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, e do presidente do IFP, António Valadas da Silva. Recebeu o diploma de reconhecimento a presidente da Câmara Municipal, Helena Teodósio, que esteve acompanhada no ato pela vereadora Célia Simões e por um grupo de funcionários envolvidos no processo que esteve na base desse reconhecimento.

O Município de Cantanhede é o único da CIM – Região de Coimbra com o estatuto de Entidade Empregadora Inclusiva no âmbito do Programa de Emprego e Apoio à Qualificação das Pessoas com Deficiência e Incapacidade, estatuto esse que foi obtido a partir da avaliação de vários parâmetros, entre os quais o número de trabalhadores com deficiência que tem ao serviço. “Esta realidade é fruto da consolidação de uma cultura organizacional orientada para a integração profissional de pessoas nessas circunstâncias e para a sua valorização através de oportunidades para a progressão nas respetivas carreiras”, refere a presidente da Câmara Municipal. Helena Teodósio considera que “as limitações físicas não são sinónimo de incapacidade, como de resto constatamos em vários exemplos de funcionários com deficiência e que são extremamente competentes nas funções que exercem, além de que se envolvem ativamente nas atividades no seio da instituição”.  

Fator importante para os resultados obtidos neste âmbito foi o ajustamento das condições de trabalho, nomeadamente através da adaptação dos meios e equipamentos, bem como da alteração de equipas de trabalho ou das suas tarefas e reorganização dos processos de trabalho dos trabalhadores que apresentavam problemas de saúde.

Por outro lado, na atribuição da marca de Entidade Empregadora Inclusiva ao Município de Cantanhede foram considerados os equipamentos e softwares permitem adaptações para os utilizadores com limitações motoras, baixa visão ou cegueira e deficiência auditiva, enquanto os espaços de trabalho das pessoas com deficiência e os espaços comuns são acessíveis. E também no que diz respeito aos espaços de atendimento público existem condições de acessibilidade em conformidade com as normas técnicas definidas para os portadores de deficiência que necessitam da prestação de serviços diferenciados.

Além disso, foram também tidos em conta os protocolos que a autarquia mantém com entidades de reabilitação, tendo em vista a realização de atividades ocupacionais por pessoas com deficiência e incapacidade, possibilitando-lhes oportunidades de vida num ambiente inclusivo e o desenvolvimento das suas competências pessoais e profissionais. E outro aspeto considerado foi o envolvimento em parcerias e em projetos locais destinados ao desenvolvimento das qualificações e a inclusão ativa das pessoas com deficiência e incapacidade.

Juntamente com o Município de Cantanhede, em 2019 receberam a marca de Entidade Empregadora Inclusiva 28 instituições, entre as quais as 11 autarquias, a Universidade de Aveiro, o Instituto Politécnico de Santarém, e a Santa Casa da Misericórdia do Porto e de Almada.     

 

 

Fonte: Município de Cantanhede