Paula Gradim, especialista em Medicina Chinesa e Técnica Radiologista, será uma das oradoras da 10.ª Conferência Internacional de Acupuntura / Medicina Tradicional e Saúde, em Roma. A jovem, de 36 anos, natural da Mealhada, fará uma apresentação juntando as suas duas áreas profissionais, demonstrando, assim, “a importância da imagem médica na medicina tradicional chinesa”.

Já foi há cerca de meio ano que Paula Gradim foi contactada por um elemento da comissão organizadora do congresso, através da rede Linkedin. Sob o mote “onde a Ciência Moderna se encontra com o conhecimento ancestral”, a especialista em Medicina Chinesa e Técnica Radiologista colocou mãos à obra e propôs à organização juntar as suas duas especialidades.

Na sua apresentação será apresentado “um atlas de acupuntura em imagem médica”. “No fundo tentarei demonstrar a localização de pontos de acupuntura através de imagens radiológicas”, explicou, ao «Bairrada Informação», Paula Gradim, exemplificando que “há estruturas que conseguimos palpar e referenciar facilmente, mas um ponto de acupuntura não é assim tão fácil e, por isso, a imagem da localização de um ponto de acupuntura, e toda a estrutura à sua volta, poderá ser fundamental num tratamento e no estudo científico da eficácia desta técnica”.

Para o seu estudo, a jovem especialista, para além dos conhecimentos de formação, contou com o apoio de uma plataforma online que lhe permitiu capturar imagens. “Existem centenas de pontos, mas para este trabalho escolhi apenas alguns”, acrescentou.

E será este o projeto de base académica apresentado por Paula Gradim, no próximo dia 20 de junho, em Itália, num congresso onde estarão especialistas de todo o mundo, nomeadamente, dos Estados Unidos da América, Grécia, Dinamarca, Itália e México.

“É um desafio muito grande nas duas especialidades que exerço”, explica ainda, enfatizando que é mais um acrescento importante “na forma como somos vistos na Medicina” e relembrando que “a recente regulamentação da Medicina Tradicional Chinesa  representa também sermos vistos com mais seriedade, e ter base científica é fundamental nesse processo”.

Depois da apresentação, Paula Gradim pretende desenvolver o projeto apresentado, onde não descarta a possibilidade da publicação de um livro, com imagens radiológicas dos pontos de acupuntura.

 

Mónica Sofia Lopes