Para melhor perceber o desenvolvimento da Linguagem é necessário saber que a comunicação, linguagem e fala são diferentes apesar de estarem interligadas.

Conceitos.

Comunicação: Processo de troca de informação que se estabelece entre duas ou mais pessoas de forma a influenciar o comportamento do outro.

Linguagem: Capacidade de usar e compreender conceitos de forma a ser possível pensar e comunicar.               

Fala: Ato motor de articulação de sons para transmitir a linguagem como as palavras e as frases.

A criança começa por aprender a comunicar, gradualmente vai desenvolvendo a sua linguagem e, finalmente, usa a fala, pode comunicar sem ter adquirido ainda a linguagem!

A criança precisa de oportunidades para conversar, o que requer tempo por parte do adulto para a ouvir e para falar com ela.

 

Desde que  nasce a criança comunica, vai desenvolvendo gradualmente a sua linguagem e só mais tarde usa a fala.

No entanto, inicialmente a comunicação do bebé não é intencional (chora quando tem fome ou sono), isto é, ela é capaz de comunicar e transmitir uma mensagem sem ter qualquer intenção. Ao longo do tempo, conforme vai crescendo e evoluindo, demonstra mais intenção na sua interação, utilizando outras formas de comunicar como é o caso da expressão facial, o gesto e a postura corporal. Desta forma, os alicerces para todo o desenvolvimento da linguagem vão-se construído.

Primeiramente, a criança compreende o que lhe é dito e só posteriormente se expressa utilizando sílabas, palavras ou frases. É fascinante como as crianças desenvolvem a sua linguagem de dia para dia!

Porém, para que exista este desenvolvimento é importante que a criança sinta motivação e propósito para comunicar.  A comunicação e a linguagem devem ser incentivadas desde o nascimento. Independentemente da forma como a criança diz o que quer transmitir, é crucial incentiva-la a comunicar, mostrando interesse pelas suas intenções. É essencial dialogar com ela, dar-lhe várias oportunidades e não desistir.

As crianças para comunicar/adquirir a linguagem e mais tarde a fala precisam de oportunidades para conversar, o que requer tempo por parte do adulto para as ouvir e para falar com elas!

Cada criança é única e tem o seu próprio ritmo de desenvolvimento da linguagem, ou seja, pode variar de criança para criança aproximadamente, 6 meses. Contudo, existem linhas orientadoras da aquisição típica que se devem ter em conta. As tabelas que se seguem apresentam as etapas de aquisição de linguagem dos 0 meses até aos 3 anos.

 

Nestas faixas etárias, devemos ajudar a criança a desenvolver o gosto pela comunicação, mostrando que é divertido e que só é possível relacionarmo-nos com os outros através dela.

Comunicar abre o mundo do bebé a novas experiências e estímulos que o ajudarão a desenvolver uma personalidade curiosa, a observar e a refletir sobre o que a rodeia.

O papel dos pais é educar, motivar e ajudar o filho a adquirir modelos de linguagem corretos através de uma atitude positiva, de incentivo e de valorização do esforço da criança.

Seguem-se algumas estratégias para desenvolver as competências de comunicação e de linguagem da criança:

 

Falar com a criança e não para a criança.

Falar devagar e estabelecer contato visual com a criança.

Estimular a aquisição de vocabulário, o desenvolvimento do pensamento e da linguagem através da leitura de histórias.

Elogiar as respostas e assumir uma atitude de interesse e entusiasmo pelas respostas e questões colocadas pela criança.

Acrescentar informação ao reformular o discurso da criança.

Usar uma linguagem correta, rica e diversificada e evitar expressões como “chicha” em vez de “carne“.

Usar palavras novas, explicando o seu significado através de exemplos acessíveis à criança.

Incentivar a aquisição de novo vocabulário cantando, lendo lengalengas ou fazendo rimas com a criança.

Fazer perguntas abertas (o que fizeste hoje? o que foi o almoço?), ajudando a criança a refletir sobre as suas ações e sobre as situações do dia-a-dia, produzindo memórias duradouras.

Descrever o que se está a fazer no dia-a-dia, conversando e interagindo com a criança.

Dedicar tempo de qualidade em família, onde haja espaço para fazer atividades em conjunto e estimular o diálogo.

 

Assim, a criança adquire imensas competências da linguagem, porém necessita de todo o meio envolvente, bem como os seus estímulos para que esta evolução seja positiva.

 

Reflexão de Ana Paula Reis – Educadora de Infância na

Creche do Centro de Assistência Paroquial da Pampilhosa

 

Imagem: FeeLoona (pixabay.com)

 

 

Bibliografia;

Rombert, J. (2013). O gato comeu-te a língua. Lisboa: A esfera dos livros.

Sim-Sim, I. (1998). Desenvolvimento da Linguagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Sim-Sim,I., Silva, A. C., & Nunes, C. (2008). Linguagem e Comunicação no Jardim-de-Infância. Textos de Apoio para Educadores de Infância.

(Ministério da Educação; & Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, Eds.). Lisboa