Todos julgávamos ter tudo controlado. Chegamos bem. Tivemos uma boa receção e estadia. Trataram-nos humanamente, muito embora com algumas falhas, não só no que toca à comunicação, como também ao nível logístico. Mas ainda assim, criou-se logo à partida, uma boa relação humana, entre os anfitriões e os participantes do projeto de voluntariado internacional de vários países, e ao mesmo tempo entre esses mesmos participantes, cuja pronúncia do inglês difere consoante a origem. Mas a mensagem passava. Os olhares, os gestos, os sorrisos, os toques e os abraços também facilitaram a comunicação.

Fori assim, durante quatro semanas intensas, tanto na residência, como nos passeios em grupo. Tanto na relação entre os participantes como no contacto com as crianças de vários jardins de infância, estabeleceram-se relações de amizade e memórias que durarão por muito tempo.

Tínhamos tudo isso sob controle, apesar das picardias que não faltavam, continuávamos e continuamos, de certa forma, unidos, mesmo que cada um esteja no seu canto ou junto ao seu grupo restrito de amizade.

Pelo que se pode constatar, aproveitamos bem o que tínhamos ao nosso dispor. E estávamos a navegar livremente ao sabor do vento, com convicção de que conseguiríamos chegar à data do fim, proposto no princípio do projeto.

Aconteceu tudo ao contrário daquilo que prevíamos. Não esperávamos que acontecesse, mas ainda bem que não podemos prever o futuro, pois, se tivéssemos essa capacidade, talvez a nossa animada navegação neste voluntariado na Turquia pudesse sofrer muitos altos e baixos.

Deste modo, tivemos um grande momento de tristeza, porque quando as coisas são ordenadas pelas leis do universo, pouca ou nenhuma capacidade os humanos poderão ter para contornar essas leis.

Neste caso específico, foi a maldita doença que abalou o mundo tentando, de certa forma, colocar tudo e todos nos seus devidos espaços. Será que é mesmo essa a razão do aparecimento do covid-19? Continuemos a pensar nisso…

Os sintomas não deixavam uma colega nossa em paz. Depois do resultado do seu teste dar positivo, obrigatoriamente todos os participantes fizeram teste, mesmo aqueles que não tinham sintomas nenhuns. Alguns fizeram mais tarde do que outros. E cerca de trinta por cento dos participantes estavam infetados pelo vírus. O que obrigou automaticamente ao cancelamento do projeto de voluntariado nos jardins de infância da cidade de Eskişehir, na Turquia.

Ficámos, de algum modo, tristes por não conseguirmos chegar ao fim do projeto, até porque as crianças mereciam, de certa forma, um abraço de despedida da nossa parte, que não o tiveram. Os responsáveis dos jardins deveriam ouvir os nossos agradecimentos, por nos terem aberto as portas e também não nos receberam. E os membros da organização que se esforçaram tanto para que nos sentíssemos em casa, tirando as mensagens de carinho, não tiveram abraços e nem olhares de agradecimento da nossa parte.

Por isso, em tudo que façamos, é importante não ignorar o rascunho dos imprevistos. Eles acontecem quando menos esperámos, e é nesses momentos que as nossas emoções, os nossos sentimentos e as nossas capacidades, enquanto humanos, são desafiados e colocados à prova. Mas mais do que nunca devemos encarar essas alturas com maior prudência e bom senso.

 

Texto de Mamadu Alimo Djaló

Imagem de geralt (https://pixabay.com/pt)