O Município da Mealhada disponibilizou uma administrativa para estar dois dias por semana na Extensão de Saúde da Vacariça. A informação foi dada pelo presidente da Câmara, Rui Marqueiro, na última Assembleia Municipal, órgão que aprovou, por unanimidade, uma moção do PCP «pela imediata normalização do funcionamento do polo da Vacariça – USF Caminhos do Cértoma».

Acerca do tema do Polo de Saúde da Vacariça, Rui Marqueiro referiu que teve uma reunião com a Administração Regional de Saúde, onde também esteve presente o presidente da Junta de Freguesia da Vacariça, em que terá ficado «claro que ou o Município resolvia o problema ou eles não podiam fazer». «Comuniquei hoje (29 de junho) ao dr.º Rui Ribeiro (do conselho técnico da USF Caminhos do Cértoma) que uma senhora administrativa irá dois dias por semana à Extensão e esperemos que efetivamente se venha a constatar que este era o problema e que nada mais falte», explicou o autarca, garantindo que «esta senhora tem autorização da Câmara para pegar no carro que serve de apoio ao trabalho da Delegada de Saúde (e que foi disponibilizado, durante a pandemia, pelo Município) para realizar o seu ao serviço da unidade de saúde».

Durante a sessão da assembleia, João Louceiro, deputado municipal eleito pelo PCP, lamentou a «insuficiência de investimento na Saúde por parte do Governo» e apresentou uma moção que «exorta o Governo a tomar as medidas necessárias para o normal funcionamento da Extensão de Saúde da Vacariça». «Com esta moção, aprovada por unanimidade, esperamos verem reunidas as condições políticas para a resolução de um problema que se arrasta há anos e que afeta a vida de todos os utentes desta Unidade de Saúde Familiar, independentemente de morarem no Luso, na Vacariça ou na Pampilhosa», referiu, posteriormente, em comunicado remetido aos órgãos de comunicação social.

Recordamos os nossos leitores que a população da freguesia da Vacariça se organizou e levou a cabo uma vigília, no passado dia 14 de junho, contra o encerramento da Extensão de Saúde do Polo da Vacariça, anunciado, nessa altura, pela Unidade de Saúde Familiar Caminhos do Cértoma, e com duração de dois meses. «Não podemos fechar uma Extensão de Saúde com nove localidades e 1900 utentes, em grande parte pessoas idosas», defendeu, na ocasião, Rui Peralta, o mobilizador da vigília, acrescentando que «muitas das pessoas não têm transporte para ir até à Pampilhosa» e que, para além disso, «as reformas são baixas para irem de táxi». «A população é idosa, mas está aqui em peso, porque precisa mesmo disto», enfatizou.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Imagem de capa de Arquivo da vigília ocorrida no passado mês de junho