O Parque Urbano de Anadia foi, ao início da tarde da passada terça-feira, inaugurado pela Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa. Uma oferta, que começou a ser desenhada em 2017 e cujo investimento superou os quatro milhões de euros (valor total com a aquisição do terreno), «concretizada graças ao imprescindível apoio de fundos comunitários», referiu Teresa Cardoso, presidente da Câmara de Anadia.

«Um sonho tornado realidade». Foram as primeiras palavras de Teresa Cardoso, na cerimónia de inauguração do espaço, garantindo que «criar um projeto desta envergadura, requer coragem, visão de futuro e financiamento». «Para alcançar o valor que nos faltava candidatamo-nos ao programa Centro 2020, através dos PARU, e conseguimos uma comparticipação no valor de um milhão e 500 mil euros», sublinhou a autarca, acrescentando que «para pagar a obra, foi também necessário contrair um empréstimo de um milhão e 532 mil euros ao Banco Europeu de Investimento, a dez anos, com condições muito vantajosas. Trata-se de um endividamento calculado, que não compromete o orçamento municipal, nem limita a capacidade, no futuro, de o Município de Anadia poder vir a recorrer a este recurso financeiro para outros projetos estruturantes».

O Parque, com oito hectares e meio de extensão, contempla «uma vasta área arborizada e ajardinada, uma zona para a prática desportiva ao ar livre e edifício de apoio com sanitários, um parque infantil, uma praça central, um parque de merendas com cafetaria de apoio, um lago biológico, percursos para circulação pedonal e ciclovia e um parque de estacionamento para automóveis e autocarros». «Preservem-no e respeitem as regras que se impõem num espaço público que é de todos os que dele queiram usufruir», apelou a autarca.

Ana Abrunhosa não se coibiu de elogios ao novo espaço. «Com a pandemia aprendemos que não podemos viver sem estes espaços e que são fundamentais para a nossa saúde mental e física. Parabéns por este magnífico parque que, depois de concluído, até parece fácil», referiu a Ministra da Coesão Territorial, sublinhando que estes locais, que se multiplicam pelos municípios, «só são possíveis com o apoio de fundos comunitários». «A verdade é que quando os municípios os executam, não conhecemos outras entidades que os executem melhor», elogiou.

Aproveitando a presença de Ana Abrunhosa, a presidente da Câmara de Anadia alertou para o congestionamento e necessidade urgente de requalificação da EN1-IC2, a via principal de acesso ao concelho anadiense, alertando que o município necessita «urgentemente de um nó de acesso à Autoestrada 1, capaz de servir não só o concelho de Anadia, mas também os municípios vizinhos». «Esta nossa pretensão, tão importante para o desenvolvimento económico do concelho e da região, tem sido ignorada de Governo em Governo», lamentou a edil, destacando que «a questão das acessibilidades, nomeadamente das vias municipais, não foi incluída neste quadro comunitário de apoio, nem se perspetiva no próximo».

Em resposta, a Ministra da Coesão Territorial garantiu: «Já perdi a conta às vezes que eu e a dr.ª Isabel Damasceno (da CCDR Centro) sinalizamos este projeto como prioritário». «Comprometo-me a defender sempre o quão importante este nó é para o município de Anadia», rematou.

Para dar a conhecer à comunidade os vários espaços desportivos existentes no Parque Urbano, o Município está a promover até ao próximo domingo, 27 de junho, um conjunto de atividades lúdico desportivas, de participação gratuita. «Assim, esta sexta-feira, das 17h30 às 19h30, terá lugar o evento “Ciclismo vai ao Parque da Cidade”, pela Federação Portuguesa de Ciclismo. No sábado, das 17h00 às 18h00, haverá uma aula de Ioga. No domingo de manhã, das 10h00 às 12h00, os munícipes são convidados a explorar o Parque, através de uma sessão de Orientação, pelo Clube Saca Trilhos Anadia», lê-se numa comunicação municipal.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galeria de fotografias, de Mónica Sofia Lopes e Miriam Vieira, em https://www.facebook.com/bairradainformacao/