«Negócios em tempos de pandemia» é uma rubrica do «Bairrada Informação» que pretende dar voz ao setor empresarial e a forma como os diversos negócios têm lidado com as medidas e regras de combate à pandemia por covid-19.

Carla Azevedo é gerente da loja de vestuário «Ama-te» e, mais recentemente, da «Casca de Nós» (de fruta e legumes), ambas na vila do Luso. «A “Casca de Nós” é um negócio jovem que, em pandemia, vamos mais fazer entregas do que propriamente os clientes vêm ao estabelecimento», começa por dizer, acrescentando que, relativamente à «Ama-te», esta se encontra fechada actualmente devido às medidas do estado de emergência. «É gerir as redes sociais e esperar que alguém encomende pela internet. Depois vamos entregar ou enviamos por CTT», descreve.

E é a loja de vestuário que «tira o sono» a Carla Azevedo. «Esta atividade pode estar em risco. As contas são imensas – renda, água, luz, internet, contabilista, seguros, segurança social, etc. – e o dinheiro que entra não cobre todas as despesas», lamenta, garantindo que neste setor, em 2020, teve «uma quebra na ordem dos 50%».

Sobre os apoios do estado, a empresária diz que o pedido foi feito pelo seu contabilista. «Ainda não recebi nada e nem sei se vou receber. O futuro vai ser difícil!», remata.