Após alguns casos de infeção registados na comunidade escolar, o diretor do Agrupamento de Escolas da Mealhada alertou hoje, numa circular, dirigida aos encarregados de edução “para a importância de se observarem, o mais possível, as recomendações da DGS no seio familiar e no convívio social, evitando o mesmo”.

No mesmo documento, Fernando Trindade recomenda “todos os elementos da comunidade escolar que se mantenham atentos ao surgimento de sintomas compatíveis com COVID-19 e que cumpram rigorosamente as regras de higiene e segurança (máscara, distanciamento, higienização). Se alguém da comunidade escolar ou do seu ambiente próximo desenvolver sintomas sugestivos de COVID-19 deve permanecer em casa e contactar os serviços de saúde por telefone (SNS 24 – 808 24 24 24) ou outras linhas específicas criadas para o efeito”.

“O SARS-CoV-2 é um vírus transmitido, essencialmente, de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias de doente por COVID-19. Após esta exposição, os sintomas podem desenvolver-se até 14 dias desde o último contacto, sendo estes predominantemente de natureza respiratória, como tosse, dificuldade respiratória e febre (>38ºC). Também, podem coexistir outros sintomas, como odinofagia (dor de garganta) e dores musculares generalizadas, perda do paladar ou do olfato, diarreia, dor no peito e dor de cabeça, entre outros. A pessoa doente pode também não apresentar sinais ou sintomas (assintomática)”, refere ainda, sugerindo que seja consultado o sítio da internet da DGS em www.covid19.min-saude.pt.