A Federação Portuguesa de Canoagem foi premiada com a Medalha de Honra ao Mérito Desportivo, uma das mais altas condecorações desportivas nacionais. A entrega da distinção foi feita por Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, durante a Gala dos Campeões 2018, realizada em Coimbra, no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV).

A Medalha de Honra ao Mérito Desportivo pretende galardoar individualidades e coletividades nacionais ou estrangeiras pelos serviços prestados em prol do desporto nacional e pela continuidade ou repetição de ações ou factos relevantes, prestigiando o desporto português e o nome do país.

«Esta medalha é vossa e esta medalha é por tudo aquilo que o país deve à canoagem», afirmou o governante, que tutela a área do Desporto e que se disse «apaixonado» pela canoagem, no discurso que antecedeu a entrega da distinção. Feita sem aviso prévio, o que acabou por surpreender todos os que lotaram o TAGV, o ministro chamou Vítor Félix, presidente da Federação Portuguesa de Canoagem, ao palco para receber a condecoração.

O ministro admitiu que a canoagem portuguesa «já é uma potência mundial e uma referência nacional quando falamos de modalidades», reforçando a afirmação com «a consistência de resultados ao longo dos últimos anos e a projeção que a canoagem granjeou», antes, ainda, de lembrar «o ano excecional de 2018».

Já recomposto da surpresa, no discurso que encerrou mais uma Gala dos Campeões, Vítor Félix agradeceu a condecoração, assumindo tratar-se de «um reconhecimento do trabalho desenvolvido pela família da canoagem». «Foi uma agradável surpresa esta distinção do Governo português», prosseguiu o presidente da Federação Portuguesa de Canoagem, antes de revelar orgulho por a canoagem nacional ser «uma modalidade de referência».

 

Gala premiou campeões da canoagem

A Gala dos Campeões premiou todos os feitos da canoagem alcançados no ano passado, distinguindo atletas, treinadores, clubes e autarquias. Uma festa repleta de significado, que lotou o Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), em Coimbra, e que se assumiu como mais uma prova do crescimento e da vitalidade da modalidade.

A entrega do Prémio de Atleta Masculino do Ano a Fernando Pimenta foi um dos momentos altos da tarde, com os aplausos da plateia – toda de pé – a prolongarem-se por muitos segundos. O canoísta de Ponte de Lima, campeão do Mundo em K1 1.000 metros e em K1 5.000 metros no Campeonato do Mundo de Velocidade, disputado em Montemor-o-Velho, em agosto de 2018, afirmou tratar-se de «um grande orgulho».

Mas foi José Ramalho quem recebeu a ovação da tarde, com os presentes – mais uma vez, todos de pé – a premiarem o esforço e a tenacidade do maratonista no Campeonato do Mundo de Maratona, realizado em setembro de 2018, na vila de Prado, no concelho de Vila Verde. Na altura, um problema no kayak impediu-o de lutar pelo título mundial, mas o canoísta do Clube Fluvial Vilacondense lutou até ao fim e completou uma prova épica e inesquecível.

Por isso mesmo, a Federação Portuguesa de Canoagem entregou-lhe o Troféu Fair-Play na Gala dos Campeões 2018. Depois de agradecer o reconhecimento, José Ramalho assumiu ter continuado em prova «pelas pessoas que estavam ali [em Prado]». «Era um orgulho terminar a prova», concretizou.

O Prémio de Atleta Feminino do Ano foi entregue a Maria Rei, campeã do Mundo de juniores em K1 1.000 metros, que se revelou «muito feliz e honrada» com a distinção atribuída pela Federação Portuguesa de Canoagem. Hélio Lucas, técnico nacional, foi agraciado com o Prémio de Treinador do Ano. «Partilho esta distinção com toda a equipa técnica da Federação Portuguesa de Canoagem», disse.

Messias Baptista, que integrou o K4 500 metros no Mundial de Velocidade, em Montemor-o-Velho, recebeu o Prémio de Jovem Promessa. «É uma motivação extra para a próxima época», assumiu. Na gala, apresentada por Ricardo Couto e Micaela Morgado, o Prémio de Equipa do Ano foi para o K2 500 e 200 metros, formado por Joana Vasconcelos e Teresa Portela, que, em 2018, se sagraram campeãs da Europa em K2 200 metros.

«Este prémio mostra que nos temos esforçado bastante para estar aqui», declarou Joana Vasconcelos, antes de Teresa Portela partilhar o prémio com as companheiras de seleção com quem, diariamente, treinam. «Somos uma verdadeira equipa», afirmou, não sem antes lembrar que 2019 é «um ano muito importante, de apuramento olímpico».

Na Gala dos Campeões, organizada em parceria com o Gabinete de Desporto da Universidade de Coimbra, foram distinguidos com diplomas cerca de 300 atletas campeões nacionais de 2018 e vencedores das primeiras pagaiadas do ano passado, os clubes campeões nacionais por especialidade, o vencedor do ranking nacional de veteranos (Clube de Canoagem de Amora) e o vencedor do ranking nacional 2018 (Clube Náutico de Ponte de Lima).

Foram ainda galardoados, entre outros, os atletas internacionais que representaram Portugal em Campeonatos do Mundo e da Europa e homenageados os técnicos nacionais. Os municípios de Montemor-o-Velho e Vila Verde e o Clube Náutico de Prado foram distinguidos como forma de reconhecimento pelo apoio dado, em 2018, à organização dos Campeonatos do Mundo de Velocidade e de Maratona.

No encerramento da Gala dos Campeões, Vítor Félix começou por pedir um minuto de silêncio em memória de Diogo André Dias, canoísta do Clube Náutico do Litoral Alentejano, de Vila Nova de Milfontes, falecido, num acidente de viação, no dia anterior. Posteriormente, o presidente da Federação Portuguesa de Canoagem assumiu que 2018 foi «um grande ano», sublinhando que a modalidade é «uma das maiores referências do desporto português», antes de confirmar que «os atletas são o nosso principal ativo».

 

Fonte: Federação Portuguesa de Canoagem