Agora é oficial e o distintivo não engana: é na Antes, no concelho da Mealhada, que se situa o primeiro talho certificado em Portugal com venda de Kobe Beef, considerada por muitos Chefs’ e concursos internacionais, «das melhores carnes do mundo» e cujo o preço pode chegar aos 400 euros/kg. Para Ana Teresa Machado, do Grupo C’s, «é um orgulho esta certificação estar na Antes, uma aldeia com 900 habitantes», de onde parte o produto «para toda a Península Ibérica».

Foi no passado sábado, ao final da tarde, que o Grupo C’s, situado no centro da localidade da Antes, se tornou «oficialmente certificado com a afixação de uma placa da entidade Kobe Beef – Certified Seller». O galardão, exposto na fachada das instalações, representa a exclusividade, em Portugal, a nível de todos os talhos, na venda de Kobe Beef, um produto considerado «por Chef’s de renome e em concursos internacionais das melhores carnes do mundo devido ao sabor suave, consistência suculenta e pela experiência de degustação que proporciona».

A designação de Kobe é alusiva a uma cidade japonesa localizada na província de Hyōgo. Extraído da raça bovina Wagyu, originária do Japão, e utilizada há séculos no trabalho de cultivo do arroz, o Kobe Beef é considerado o pináculo das carnes mais caras do mundo, com preços que podem chegar aos 400 euros/kg. A principal característica desta carne é a sua concentração marmorizada, que resulta da distribuição da gordura entre as fibras. A intensidade do marmoreio, a cor da gordura, a cor da própria carne, o tecido muscular e a forma do músculo são os critérios utilizados para a carne atingir a qualidade máxima – qualidade A5. Para alcançar a carne macia e suculenta do Kobe Beef, os bois da raça Wagyu são tratados com muitos cuidados, desde a alimentação à base de arroz, milho, maçã e cerveja, a escovações diárias, massagens para relaxar e música clássica.

Para se chegar à certificação de venda em Portugal, há todo um processo a ter em conta, explica Cláudio Cipriano, gerente do Grupo C’s, entidade referenciada no corte de carnes, que se dedica ao negócio do gado há mais de 20 anos. «Há um ano começámos a pensar nisto, procurámos, trabalhámos e enviámos inúmeros emails para finalmente conseguirmos chegar ao produto», desvenda o empresário, que assinou contrato no passado dia 15 de fevereiro.

Para comercializar os produtos da marca Kobe Beef, é necessário o registo na «Kobe Beef Marketing & Distribution Promotion Association» e cumprir regras de controlo restritas, nomeadamente, a obrigatoriedade de os produtos ficarem num expositor isolado. «As regras de controlo da carne são rígidas e os custos para estarmos associados à Kobe Beef são avultados, mas era um grande objetivo que tínhamos, nós e os nossos clientes», enaltece Cláudio Cipriano.

E os clientes são de várias partes da Península Ibérica, que têm a compra facilitada através da loja online da empresa. «Temos clientes de Norte a Sul do país, com envio constante de produtos. Também somos muito procurados em alguns pontos de Espanha», acrescenta Ana Teresa Machado.