«Eu sou porque tu és», «jeito de viver universal», «tornar-se humano», «você só é uma pessoa porque se relaciona com outras pessoas», «capacidade de cuidar de si e dos outros» e «ao servir o outro nós nos encontramos». Em poucas palavras pode ser esta a descrição da filosofia «Ubuntu», inspirada em modelos de liderança de personalidades como Nelson Mandela, Martin Luther King e Malala Yousafzai. Um programa de educação não-formal que chegou à Mealhada e se vai desenvolver nos próximos três anos letivos, no Agrupamento de Escolas, e dirigido a todos os jovens dos 14 aos 18 anos.

O método Ubuntu assume o desenvolvimento de cinco competências centrais que estão na base do processo de crescimento humano: tornar-se pessoa. Num primeiro nível, são promovidas competências focadas no indivíduo (autoconhecimento, autoconfiança e resiliência) e, num segundo nível, são focadas as competências sociais e relacionais (empatia e serviço).

O processo começa com a formação de docentes e educadores, em parceria com a Escola Superior de Educação Paula Frassinetti; segue-se a Semana Ubuntu, cinco dias intensos, com destaque para várias fases – liderar como Mandela, construir pontes, vencer obstáculos, vidas ubuntu e «I have a dream»; segue-se a aplicação do método em contexto de sala de aula. Depois disto, o Agrupamento cria o seu próprio Clube Ubuntu e recebe visitas periódicas do Instituto Padre António Vieira para um «follow-up».

Quem já experienciou garante não esquecer esta forma de estar na vida. António Castel-Branco, diretor do Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro, enfatiza que «alunos, com alguns problemas, fizeram a formação e parece mesmo inacreditável a transformação que tiveram. Tínhamos um aluno que fazia bullying e depois disto tornou-se um pilar do Agrupamento no desenvolvimento de diversas atividades». «O principal nesta academia é que os participantes lidam com outras realidades e não só com os seus problemas. A parte das histórias de vida é dos momentos mais intensos deste programa», sublinhou.

E os alunos concordam com a importância dos projetos nas suas vidas. É o caso de Inês Luís, 16 anos, do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria (Tomar); e de Madanela Seno Luís, 18 anos, de Odemira, que, na tarde da passada quarta-feira, através de uma sessão zoom, partilharam as suas experiências no projeto. «A Semana Ubuntu foi muito enriquecedora e emotiva. Foi como se só estivesse a conhecer os meus colegas naquele momento. Foi inesquecível e gostaria que todos pudessem ter uma oportunidade assim», referiu Inês Luís. Declarações corroboradas por Madalena Seno Luís que garante que «a nível pessoal, a experiência foi muito transformadora». «Tivemos que olhar para nós e perceber quem somos. Depois perceber o papel dos jovens no mundo», descreveu a jovem, estudante do 12.º ano, que confessa «ser muito complicado explicar por palavras a experiência». «Só vivendo se percebe esta magia. Ubuntu passa a ser uma filosofia de vida. Todos os dias me lembro de coisas que aprendi naqueles cinco dias», referiu.

A Academia de Líderes Ubuntu – Escolas chega à Mealhada na sequência do projeto de criação do Bosque Madiba, na Mata Nacional do Bussaco, num local que já foi visitado pelo neto de Nelson Mandela, Ndaba Mandela, que plantou a primeira árvore do referido bosque.  «Naquela ocasião, a autarquia assumiu o compromisso de desenvolver um projeto de Educação para a Cidadania, dirigido à comunidade escolar, como forma de celebrar a vida e o legado de Nelson Mandela, um dos heróis mais adorados e icónicos de todos os tempos, como forma de transmitir às gerações mais novas os valores da paz, da cooperação e do diálogo», explicou o presidente da Câmara da Mealhada.

 

Mónica Sofia Lopes