O Município da Mealhada está a apurar, com a Transdev, o défice da antiga carreira 74.40, a linha que chegava a Barcouço, um serviço que foi suprimido pela empresa de transportes em 2018 com a justificação da sua falta de rentabilidade. «Estamos a estudar o custo de exploração dessa linha para apurar o seu défice e saber, com todo o cuidado jurídico, se o Município pode ou não repor o seu défice», declarou, na última Assembleia Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada.

A carreira de Barcouço foi suprimida pela Transdev em concordância com o Instituto da Mobilidade e dos Transportes, há três anos, e, desde então, a população sempre se manifestou contra e até chegou a mobilizar-se numa recolha de assinaturas que ultrapassou um milhar de signatários. Na manhã do passado sábado, na sessão da Assembleia Municipal, que se realizou através da plataforma zoom, foi João Cidra Duarte, presidente da Junta de Freguesia de Barcouço, quem questionou o executivo sobre a existência, ou não, de «desenvolvimentos» nesta matéria.

Rui Marqueiro garantiu que a Autarquia da Mealhada encetou conversas com a Transdev, mas também com os SMTUC (Transportes Urbanos de Coimbra). «Da parte dos SMTUC chegaram à conclusão que não havia interesse nisso», começou por explicar o autarca, acrescentando que, junto da Transdev, «propusemos que não continuassem com esta suspensão». «Neste momento, estamos a estudar o custo de exploração dessa linha para apurar o seu défice. Estamos a fazê-lo com todo o cuidado jurídico».

«Com o apoio da Comunidade Intermunicipal analisamos um possível contrato, para que seja reposta essa linha, que durará até ao fim deste ano, tentando perceber se o Município pode repor o défice, com total garantia que esse acordo é legal, caso contrário, não o faremos», rematou o autarca.

 

Melhorias na «Feira de Santa Luzia»

Na mesma sessão, Jorge Rama, deputado eleito pela coligação «Juntos pelo Concelho da Mealhada», questionou o atual local de realização da Feira de Santa Luzia que, desde julho passado, se realiza nos terrenos do campo de futebol de Barcouço. «Pensei que o campo de futebol fosse uma situação transitória, mas segundo me parece a Feira de Santa Luzia mudou de local», referiu o deputado municipal, defendendo «uma localização estratégica». «Atualmente, o movimento da feira nada tem a ver com o que era no local original», disse.

Rui Marqueiro referiu que, pelos dados que tem, «comerciantes e visitantes parecem contentes com o local». «Há críticas ao piso do espaço, no Inverno, e também há falta de estacionamento, por isso, o anteprojeto vai conter um parque de estacionamento e casas de banho apropriadas, para não se usarem as do Pavilhão», adiantou o edil, questionando ainda: «Queria a feira na estrada como estava?».

«Atualmente, a feira está junto a um cruzamento na localidade de Barcouço, com acessos a partir de várias localidades», sublinhou Rui Marqueiro, acrescentando que «se algum executivo posterior a nós quiser a feira noutro local, será uma opção política».

 

Mónica Sofia Lopes