O Museu Militar do Bussaco foi o local escolhido para apresentação, na manhã de quarta-feira, 10 de julho, de um projeto transfronteiriço entre Portugal e Espanha, que pretende criar novas rotas turísticas e culturais na região Centro de Portugal e na província espanhola de Castela e Leão, a partir de um produto turístico inovador baseado nas invasões francesas lideradas por Napoleão no início do século XIX.

“Um trabalho de dois anos que envolverá técnicos de diversas áreas, com o objetivo principal de melhorar a imagem turística internacional”, declarou Javier Ramirez, diretor de Turismo de La Junta de Castilla y León, defendendo que o projeto terá enfoque na riqueza cultural e patrimonial, mas também paisagística e gastronómica.

Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, acrescentou também que “o projecto NAPOCTEP será capaz de criar riqueza e emprego em regiões de Portugal e de Espanha que vivem confrontadas pelo despovoamento e pelo envelhecimento das populações”, incentivando à mobilidade “dos fluxos do litoral para outros locais”. “Hoje é o dia mais fácil. Pela frente temos muito trabalho para fazer”, referiu ainda.

O projeto terá uma duração prevista de dois anos, com um investimento total de setecentos e onze mil euros e um apoio Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) que ascende a cerca de quinhentos e trinta e três mil euros. A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra será a líder do projeto que conta com a participação de parceiros portugueses (Entidade Regional de Turismo do Centro, CIM Beiras e Serra da Estrela e Associação para o Desenvolvimento Turístico e Patrimonial das Linhas de Torres Vedras) e espanhóis (Fundación Siglo para el Turismo y las Artes de Castilla y León, Fundación Santa María la Real del Patrimonio Histórico, Sociedad Mercantil Estatal para la Gestión de la Innovación y las Tecnologías Turísticas SEGITTUR e Fundación Finnova).

Nas atividades previstas para o arranque do projeto, e segundo Inigo Bilbao, gestor do mesmo, estão a realização de “um estudo do itinerário cultural e turístico; a criação e adaptação da imagem de marca, bem como toda a sinalética; o desenvolvimento de um produto virtual; a criação, exploração e capitalização do produto; a sua gestão e coordenação; e a comunicação para o exterior”.

E para Jorge Brandão, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, o projeto entre Portugal e Espanha é um bom exemplo de cooperação. “Cada vez mais terão que ser criados produtos turísticos fortes com escala e dimensão”, referiu. Uma declaração corroborada por Suzana Menezes, Diretora Regional de Cultura do Centro, que afirmou que a história deve ser “preservada, interpretada e tornada acessível, pois só assim será estimulada e fomentada”.

A escolha do concelho da Mealhada para a apresentação do projeto prendeu-se com o facto, explicou Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, de ter sido no Bussaco que se travaram o avanço das tropas de Napoleão nas batalhas decisivas. “O Museu Militar e a Batalha do Bussaco, que todos os anos é recriada em setembro, sob a direção do exército português, são as marcas mais evidentes dessa época”, referiu.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galeria de fotografias, de José Moura, em https://www.facebook.com/bairradainformacao/

Fotografia de capa da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra