O comércio da Mealhada, Luso e Pampilhosa foi o que gerou maior volume de negócios, na quadra natalícia, no universo dos três concelhos que integram a Associação Comercial e Industrial da Bairrada e Aguieira (ACIBA), segundo a estimativas apuradas no âmbito da tômbola de Natal.

A ACIBA, que abrange o território dos municípios de Mortágua, Mealhada e Penacova, distribuiu uma centena de tômbolas pelos comerciantes dos três concelhos, tendo nelas sido depositadas cinquenta e uma mil senhas, cuja média de compra foi de dezoito euros por cliente, atingindo um volume de negócios de novecentos e vinte e um mil euros.

No concelho da Mealhada contabilizaram-se vinte e uma mil senhas colocadas em quarenta e duas tômbolas, atingindo um volume de negócios de cerca de trezentos e sessenta mil euros, o mais elevado no território da ACIBA.

O sorteio, já realizado no salão nobre da Câmara Municipal da Mealhada, apurou os quatro premiados do município: Luís Ribeiro, cliente da Somaq; Elisabeth Castillo, Multitherapies; António Semedo, pela compra efetuada no estabelecimento de Manuel Pires Faria (Pampilhosa); e Joaquim Lopes, cliente da loja J. M. Electrodomésticos.

Os prémios são vales de compras de trezentos, duzentos, cento e vinte e cinco e setenta e cinco euros, que devem ser gastos nas lojas aderentes do município. Foram também sorteados, em cada um dos estabelecimentos comerciais aderentes, prémios “Comércio Local”, no montante de quinze euros (em compras).

Recorde-se que esta iniciativa, que permite atribuir talões e participação por cada quinze euros em compras no comércio local, é apoiada pela Câmara Municipal da Mealhada, que atribuiu anualmente uma verba de dois mil e quinhentos euros à ACIBA para dinamizar a economia local na época natalícia.

Os resultados foram congratulados, na última reunião municipal, por Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, que referiu “ter havido uma inversão na Tômbola da ACIBA (em comparação com outros anos), sendo a Mealhada o município com mais vendas”.

Já Adérito Duarte, da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada”, fez saber “que alguns comerciantes consideram que a “urna” colocada nas lojas não é dignificante”. “É uma cartolina que em muitos sítios mal se vê”, acrescentou ainda.