A noite do passado domingo, dia 2 de abril, foi o caos na vila da Pampilhosa, com centenas de pessoas a fazerem o transbordo do comboio para os autocarros e vice-versa. Segundo Rui Marqueiro, presidente da Câmara Municipal da Mealhada, que esteve no local acompanhado de Guilherme Duarte, vice-presidente da autarquia, “o atraso passou de duas horas” e “o espetáculo foi deprimente”.

O acidente na Linha do Norte, junto a Adémia, Coimbra, após o descarrilamento de um comboio de mercadorias aconteceu no dia 1 de abril, cerca das 18 horas e, a
partir desse momento, a circulação ferroviária ficou condicionada entre a Estação de Coimbra – B e a da Pampilhosa.

No domingo por ser um dia de grande tráfego nessa linha, o “caos” instalDSC02424ou-se na vila da Pampilhosa. “Houve falta de resposta das Infraestruturas de Portugal”, disse Rui Marqueiro, garantindo que “também os agentes da Guarda Nacional Republicana tiveram que dar assistência a um jogo de futebol durante a tarde, não podendo estar local durante algum tempo”.

“Atendi mais pessoas do que num dia normal de segunda-feira”, diz proprietário de café

O fluxo verificado na noite de 2 de abril não era o mesmo ao início da tarde desta segunda-feira, com o trânsito e o transbordo a seguirem “tranquilos e de forma ordeira”. Para além disso, os proprietários dos estabelecimentos comerciais da vila até agradeceram a afluência de pessoas. “Atendi mais pessoas do que num dia normal de segunda-feira. As pessoas aproveitaram para beber café enquanto esperavam”, disse o proprietário do café / restaurante “Porão”. Também a gerente da “Nandita”, situada em frente ao local onde se faz o transbordo, afirmou “terem entrado mais pessoas no café do que o normal”, mas que “praticamente não se nota nada de diferente na vila”.

Situação inalterada a meio da tarde de 3 de abril

Logo pela manhã de 3 de abril, a CP – Comboios de Portugal emitiu um comunicado, na sua página do Facebook, garantindo não haver “previsão para o restabelecimento da circulação”. “Os clientes que já tenham adquirido o seu título de transporte e ainda não tenham viajado, poderão fazer o reembolso ou revalidação sem custos”, lê-se ainda no mesmo aviso, que lamenta “os incómodos causados” e que, às 17h 17m do mesmo dia, se mantinha inalterado.

Para mais informações, os interessados devem contactar a Linha de Atendimento da CP, através do número 707 210 220: Custo de dez cêntimos por minuto de rede fixa e de vinte e cinco cêntimos por minuto a partir de rede móvel. A estes preços acresce o valor do IVA.

Para chamadas do estrangeiro, o valor é de uma chamada internacional.