Duas más notícias: uma, sofro de bruxismo (aquilo de fazer ruído com os dentes durante a noite). A outra má notícia é que não me lembro onde estacionei a vassoura.

Agora a sério, porque é que uma pessoa quando faz coisas a dormir, elas são sempre coisas inúteis? Falar durante o sono, tudo bem, mas pelo menos vamos citar grandes pensadores em vez de gritar “OS ÍNDIOS NÃO SABEM USAR O MICROONDAS!”.

Era muito melhor que fizessemos coisas úteis, em vez de ranger os dentes. Não consigo escrever a palavra “ranger” sem escrever “do Texas” a seguir, desculpem. Já passou.

Não era mais útil acordar e a loiça estar toda lavada? Será que há sonâmbulos que fazem isso? Eu não queria ser sonâmbula porque um amigo meu teve uma crise de sonambulismo em casa dos sogros e apareceu impecavelmente penteado na sala, a meio da noite. Os pais da namorada ouviram uns barulhos e foram ver o que era. Era ele, estava especado no meio da sala. Todo nu. Atenção, todo nu mas impecavelmente penteado. Quando o tentaram levar para a cama, ele ainda fez questão de se sentar na cadeira de baloiço do sogro. Com o rabiosque pelado mesmo em contacto com o couro da cadeira. O sogro ia-lhe arrancando o dele.

Mas enfim, já tenho o bruxismo diagnosticado, agora já sei porque raio acordo com dores na boca, e já posso parar de acusar o meu marido injustamente.

 

Catarina Matos

Mealhadense emigrada na Alemanha

Humorista e atriz