A nível nacional, o Revive – Reabilitação, Património e Turismo – entrou já numa terceira fase abrangendo 65 imóveis, dos quais 31 concursos (contando com o do Palace Bussaco) estão lançados e 23 contratos já celebrados, num investimento total de 190 milhões de euros, que estão a gerar 3 milhões de euros em rendas para o Estado.

«Este programa surge porque existe um conjunto de imóveis de referência histórica e cultural que ou estão devolutos ou não estão com o investimento necessário», explicou Teresa Monteiro, vice-presidente do Turismo de Portugal, adiantado que o projeto congrega vários Ministérios: Finanças, Cultura, Defesa e Economia. «O objetivo é recuperar imóveis e foi criada uma equipa multidisciplinar, que permite a quem vai a concurso saber com o que pode contar», sublinhou.

«Queremos preservar a memória histórica dos imóveis, colocando-os no mercado, dando-lhes uma utilização económica, passando a ter um valor associado», continuou, destacando o caso concreto do Palace: «Pretendemos que seja um projeto âncora, que contribua para o desenvolvimento local. Não está ao abandono, está em exploração, mas necessita de recuperação. Esperemos que, até ao final do ano, nos possamos encontrar aqui para a assinatura do contrato de concessão».

Palavras corroboradas por Pedro Machado, secretário de Estado do Turismo, que não esconde que este programa de reabilitação, património e turismo «vai gerar economia» neste destino Bussaco, que «é uma peça icónica do país». «Estamos a criar condições para renovar a confiança que os empresários têm no destino e marca Portugal e a acrescentar valor e qualidade para quem nos visita», acrescentou, exemplificando com «o projeto “Florestas Terapêuticas”, que é um exemplo de captação de públicos diferentes».

Pedro Machado anunciou ainda que o ano de 2023 trouxe a Portugal trinta milhões de turistas e que, o ano corrente «deverá fechar com números recorde». «Somos hospitaleiros, temos segurança, boa perceção na saúde e valor compatível com outros mercados», enfatizou.

Recordamos que o decreto-lei para a integração do Palace Hotel do Bussaco no Programa Revive, um modelo que pressupõe a reabilitação e valorização de imóveis públicos do Estado de elevado valor patrimonial, foi aprovado em Conselho de Ministros em abril de 2021.

O edifício do Palace Bussaco foi projetado no último quartel do século XIX pelo arquiteto italiano Luigi Manini e localiza-se na Mata Nacional do Bussaco, freguesia de Luso, no concelho da Mealhada.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia com Direitos Reservados