Os mais de 450 peregrinos – provenientes de França, Polónia, Gabão, Canadá e Equador – que permanecem no concelho da Mealhada, até à próxima segunda-feira, altura em que seguem para Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude, foram recebidos, pelo pároco da Unidade Pastoral da Mealhada, Rodolfo Leite, na tarde da passada quarta-feira, com uma Eucaristia «em várias línguas» e onde não faltaram os alertas, nomeadamente ao nível de segurança. Esta sexta-feira, 28 de julho, o dia está a ser passado no Bussaco, com uma intervenção na Mata, um momento de reflexão no Convento e a participação numa Via-sacra, «diferente», promovida por uma jovem do município mealhadense.

A chegada à Mealhada e ponto de encontro das quatro centenas de jovens decorreu junto ao Pavilhão Municipal da Mealhada, com «o acontecimento mais importante» dos próximos dias, segundo o Padre Rodolfo Leite, «o da Eucaristia». «Estou muito feliz de aqui estar», referiu, ao nosso jornal, Pauline da Silva Ferreira, de 22 anos, natural de França, mas que tem descendência no Norte de Portugal. «Há dois anos estive em Fátima, numa altura instável da minha fé, e na Capela das Aparições tive uma experiência única, algo que me fez encontrar um caminho espiritual», continuou a jovem, contando ainda que, nessa altura, quando chegou a França procurou a Paróquia Estudantil de Toulouse, «que já se estava a organizar para esta Jornada e, por isso, aqui estou, numa família de acolhimento em Luso, esperando que, na próxima semana, possa através da fé encontrar “Deus” e quem sabe até ver o Papa».

A assistir à cerimónia e toda a envolvência dos cânticos, em diversas línguas, que foram acompanhados pela Banda Filarmónica de Luso, estava Mário Breda, da Mealhada, que na sua habitação acolhe quatro jovens polacos. «Foi uma decisão natural… Quando soube que a Igreja procurava famílias de acolhimento e que existiam jovens que precisavam, ofereci-me no imediato», explicou, garantindo que «a língua não é entrave porque falamos em inglês». Na manhã de quarta-feira, o munícipe já tinha levado os jovens à Vacariça e à vila de Luso. «Andaram a pé pela aldeia, foram à Igreja e andaram por um quintal que tenho na Vacariça, onde estiveram em contacto com árvores de fruto. Foi uma coisa bem diferente para eles», enalteceu.

O programa da passagem pelo concelho da Mealhada está elaborado há várias semanas e esta sexta-feira será um dos dias mais aguardados em plena Mata Nacional do Bussaco. Logo pela manhã, os jovens partiram a pé da Alameda do Casino de Luso até aos Jardins do Palace, onde houve uma receção. Seguiram-se as atividades, que acontecem ao longo do dia, com intervenção de limpeza no terreno no combate às espécies invasoras; oração no Convento de Santa Cruz; e um momento de reflexão com uma Via-sacra, pensada por uma escuteira do Agrupamento de Casal Comba. «Vai ser um dia muito importante para nós, porque vamos ter aqui centenas de jovens e levar o nome da nossa Mata do Bussaco para os seus países de origem», congratulou Guilherme Duarte, presidente da Fundação Bussaco, numa conferência de imprensa, promovida há já uns dias.

Na cerimónia de receção aos jovens, a Igreja deixou diversos alertas, nomeadamente, que «os jovens carregassem os telemóveis nas suas famílias de acolhimento» e que não perdessem o documento (tipo um passaporte) entregue no «check-in» da Paróquia, «onde estão os números da GNR e de emergência nacional, para eventual necessidade».

No sábado, o grupo fará parte do encontro com todos os jovens que estão na Diocese de Coimbra, cerca de 20 mil, e no domingo, farão parte da Eucaristia e procissão em homenagem à padroeira da Mealhada, Sant’Ana.

 

Mónica Sofia Lopes