A Quinta do Murtal, na cidade da Mealhada, ganha outra vida este fim-de-semana com a primeira edição do Festival da Juventude, um evento levado a cabo pela Autarquia, mas pensado e coorganizado pelos jovens e associações do concelho. Foram, aliás, os jovens que sugeriram o local e muitos dos artistas que sobem ao palco. Para além do cartaz cultural, o recinto conta um espaço lounge, uma zona de street food, um touro mecânico e karts a pedais. As entradas são gratuitas.

É o primeiro Festival da Juventude na Mealhada e também o primeiro evento realizado na Quinta do Murtal, organizado pelo Município, depois da aquisição pelo anterior executivo. Ontem, o palco encheu com os Putzgrilla e os dj’ PH, Rheitor, Braulio e João Maçãs. Este sábado, 23 de julho, o destaque vai para o mealhadense Andy Scotch e Lon3r Johny, com atuações dos dj’s Quântico, Rupture, Moniz, White Beatz e Alfa Project DJS. O recinto abriu às 14h00, estando previstas diversas atividades, como Prova de Orientação Adaptada; «Show Off Your Talent!», um espaço para graffiti em que os participantes deixam uma marca nos painéis disponíveis; e uma masterclass de hip hop com a professora de dança Bárbara Duarte.

«Abrimos o festival à tarde, precisamente para que a comunidade possa vir conhecer a Quinta do Murtal, a escolha natural deste evento e que foi sugerida pelos jovens», referiu Hugo Silva, responsável pelo pelouro da Juventude na Câmara da Mealhada. Um espaço que, segundo o presidente da Câmara da Mealhada, António Jorge Franco, «faz parte da história do concelho, nomeadamente, ao nível político. Queremos agora torná-lo também num espaço importante para a cultura e para o ambiente».

A preocupação ambiental não foi, aliás, esquecida nesta primeira edição. «Teremos copos reutilizados – munidos de uma fita para que se possa pendurar ao pescoço – e apelamos até a que, quem assim entender, os traga de casa. Normalmente, estes eventos acabam com milhares de copos no chão, muitos deles em aterro. Temos a obrigação de diminuir esta pegada carbónica», disse ainda António Jorge Franco, recordando que os karts também não são elétricos. «Funcionam com a nossa energia. Poupamos o ambiente e fazemos exercício», rematou.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galeria de fotografias, da autoria de José Moura, em https://www.facebook.com/bairradainformacao