O executivo municipal aprovou, por unanimidade, no passado dia 27 de janeiro, a abertura do concurso público para atribuição do direito de exploração do estabelecimento “Espumanteria do Parque”, localizado no Parque Urbano de Anadia.

«A “Espumanteria do Parque” é um equipamento de lazer e de convívio, com espaço exterior adjacente, complementar às restantes áreas destinadas à prática desportiva. Tem como objeto o exercício da atividade de comércio de petiscos (aperitivos ou pratos servidos em pequenas quantidades) e bebidas com predominância de vinhos espumantes, sendo obrigatória a comercialização de, no mínimo, cinco marcas diferentes de vinhos espumantes certificados com denominação de origem controlada DOC Bairrada e ou IG Beira Atlântico», lê-se num comunicado de imprensa da Autarquia de Anadia, que acrescenta que «o prazo para apresentação das propostas encontra-se a decorrer até ao dia 2 de março. As mesmas devem ser apresentadas em carta fechada por correio ou diretamente no Expediente Geral do Município. O preço base mensal é de 600 euros».

O programa do Procedimento e o Caderno de Encargos encontram-se patentes para consulta na Câmara Municipal de Anadia, no Serviço de Património, onde podem ser consultados ou cedidos gratuitamente, durante as horas de expediente, das 8h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h00, de segunda a sexta-feira, encontrando-se ainda disponíveis para consulta no sítio da internet do Município de Anadia, em www.cm-anadia.pt.

No concurso público, o júri terá em conta para a adjudicação do espaço, 40% o valor proposto para renda, 40% a qualidade do projeto apresentado e 20% o currículo do concorrente.

Recorde-se que «o Parque Urbano de Anadia é um fator de atratividade que contribui para a fixação de população no aglomerado urbano existente. É um espaço polivalente, implantado num terreno com topografia praticamente plana e com capacidade de ampliação futura e com condições de exceção, tendo em consideração a proximidade do centro urbano, a boa exposição solar e a proximidade ao rio, capaz de criar condições complementares de qualidade de vida urbana, através de infraestruturas de lazer e convívio existentes, como o edifício com a designação “Espumanteria do Parque”, aliadas à prática desportiva num contexto não profissional».

 

Conceito de “tapas” do equipamento questionado na reunião do executivo

Na sessão camarária, Lino Pintado, vereador na Câmara de Anadia, referiu que o espaço disponibilizará «pequenos pratos servidos como acompanhamento de bebidas», declaração que levou André Henriques, vereador da oposição eleito pelo PS, a questionar «o porquê de limitar o espaço a snack-bar e não a restauração também?». «O que leva o Município a tomar esta opção? Limitar parece-me incompreensível», disse.

Lino Pintado respondeu ser «o conceito que entendemos mais adequado ao equipamento. Petiscos e pequenos pratos não deixa de ser restauração». «Este conceito bem trabalhado pode mesmo ser uma mais valia e diferenciador. A cozinha está muito bem equipada e a qualidade é notória, tem todas as condições para ser um negócio de sucesso e estamos em crer que vamos ter vários proponentes», defendeu o vereador da Autarquia, enfatizando que «restaurantes convencionais já temos muitos».

Teresa Cardoso, presidente da Câmara de Anadia, corroborou da justificação, acrescentando «que o próprio conceito do Parque é diferenciador». «Quando temos um espaço que ser diferencia, coloca também exigência na concorrência. É uma questão de explorar bem as refeições ligeiras de tapas», rematou.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Imagem com Direitos Reservados