A música «Heal the World», do cantor já falecido Michael Jackson, foi o mote para a criação de um «hino» de união entre cantores, instrumentistas e técnicos de som da Mealhada, ou com ligações a este concelho da Bairrada, neste período de quarentena. O vídeo, publicado no Domingo de Páscoa na página oficial do Facebook do Cineteatro Messias, atingiu em menos de 24 horas perto de 14 mil visualizações.

Tudo começou com um grupo no WhatsApp criado por Miguel Gonçalves, diretor e programador do Cineteatro Messias, na Mealhada, onde lançou o desafio a alguns artistas que, não obstante estarem fechados em suas casas, de imediato aceitaram o desafio e gravaram vozes e instrumentos e fizeram os seus próprios vídeos «caseiros».

«Ao início eramos três, mas depois começámos a pensar em mais gente», recorda o músico do Luso, Miguel Silva, referindo-se a outros artistas, tais como, PAMA, Toni Viais, Francisco Saldanha, Coimbra Gospel Choir, Luís Pereira e Bruno Ribeiro. «Em quatro, cinco dias, os participantes fizeram as suas gravações e o material foi-me enviado, uma vez que fui o responsável por toda a produção musical», acrescentou Miguel Silva, agradecendo a mistura de som ao técnico Márcio Silva, de Cantanhede – que já fez parte de projetos como Virgul e Perfume e atualmente trabalha, por exemplo, com Fernando Daniel – e a participação de João Silva que finalizou o video.

Para além da participação de cantores e instrumentistas bairradinos já com algum currículo, a surpresa, neste trabalho proporcionado pela quarentena da Covid-19, vai para o inesperado, e até inusitado, contributo vocal dos funcionários do restaurante Rei dos Leitões, recém-eleito «Melhor Restaurante da Europa 2019» pelo Conselho Europeu de Confrarias Enogastronómicas, e também dos Bombeiros Voluntários da Mealhada.

«Importa sublinhar que muitos dos artistas que participaram neste trabalho nunca tocaram ou cantaram juntos e alguns nem sequer se conheciam, pelo que a pandemia do coronavírus acabou por proporcionar um inesperado convívio, embora virtual, e uma partilha artística, à distância, que não teria acontecido caso Portugal não tivesse sido atingido pela Covid-19», engrandece fonte do Cineteatro Messias.

«Graças a isto consegui colocar em prática fazer gravações em casa. Para além disso, num momento tão difícil, este vídeo ocupou-nos a cabeça com algo produtivo, que no fundo passa também para os outros», disse ainda, ao «Bairrada informação», Paulo Andrade, mais conhecido por PAMA.

O vídeo pode ser visto em www.facebook.com/cineteatromealhada.

 

Mónica Sofia Lopes