Durante uma semana, o concelho de Anadia foi a “capital” do escutismo aveirense, tendo acolhido mais de 2200 escuteiros de 48 agrupamentos da região de Aveiro, Madeira, Açores e Porto, naquele que foi o XIX Acampamento Regional de Escutas (ACAREG 2019) que decorreu, entre 27 de julho e 2 de agosto, na localidade de Porto de Vide, na Freguesia de Avelãs de Cima, ocupando uma área de cerca de onze hectares.

Desde a primeira hora que a Câmara Municipal de Anadia “abraçou” esta ideia, tendo empenhado todos os esforços, em termos de logística, para que fossem criadas todas as condições, de segurança e de conforto, necessárias para que os milhares de escuteiros pudessem ali acampar e realizar as suas atividades escutistas.

O acampamento pretendeu promover uma experiência divertida e emocionante a crianças, adolescentes e jovens, procurando simultaneamente promover uma experiência educativa de qualidade, seguindo fielmente os objetivos, princípios e o método do escutismo e sendo consistente com as necessidades e aspirações dos jovens no mundo de hoje.

As diferentes atividades desenvolvidas pelos escuteiros decorreram, não só, na área do acampamento, mas um pouco pelo concelho de Anadia, em diferentes instalações municipais, bem como nos concelhos vizinhos de Águeda e da Mealhada.

Na sessão de abertura, a presidente da Câmara Municipal de Anadia, Maria Teresa Cardoso, destacou o papel importante que os quatro agrupamentos de escuteiros do concelho de Anadia têm tido, junto dos jovens, salientando ainda o acompanhamento que o Município tem dado, no sentido de apoiar as suas atividades.

 

Agrupamentos de Anadia orgulhosos por receber o ACAREG

Os chefes dos quatro agrupamentos de escuteiros do concelho de Anadia mostraram-se bastante satisfeitos e orgulhosos por serem os anfitriões da ACAREG e com o facto de se terem reunido todas as condições para que o concelho recebesse este evento que se realiza de cinco em cinco no distrito de Aveiro.

O Chefe do Agrupamento de Escuteiros 221 de Anadia, Luís Rocha, confessou sentir-se “orgulhoso” por Anadia receber, pela primeira vez, este evento, salientando que, tendo em conta as condições, “tudo correu bem, sem percalços”. O Agrupamento esteve presente com 112 elementos.

Deu nota muito positiva, pelo facto de, num tão curto espaço de tempo, se terem criado as condições de acolhimento. “Cheguei mesmo a duvidar de que conseguiríamos criar as condições quando vi o espaço pela primeira vez”, adiantou.

Destacou o apoio dado pelo Município, que desde a primeira hora “abraçou” este desafio. “Sem o seu apoio não havia hipóteses de criarmos as condições mínimas de segurança e de conforto”, acrescentando que “o Município foi excecional. Esteve sempre connosco. Sempre disponível para solucionar os problemas que iam surgindo. Conseguimos criar uma pequena ‘vila’ no meio deste pinhal”.

Catarina Silva, Chefe do Agrupamento 836 de Avelãs de Cima, que esteve presente com 49 elementos, frisou que “foi um desafio para todos nós, como agrupamento, uma vez que foi a primeira vez que participámos num evento do género”, acrescentando que “as nossas crianças nunca tiveram tantos dias ausentes. Houve necessidade de nos adaptar às condições. Foi uma experiência muito interessante para todos os elementos”. Considerou ainda que o Município “foi inexcedível, conseguindo criar as condições ideais para este tipo de eventos”.

O Agrupamento 1345 de S. Lourenço do Bairro esteve presente com 70 elementos. A Chefe do Agrupamento, Teresa Cruz, confessou que sente “um orgulho enorme em fazer parte deste Município”, realçando que foi feito “um excelente trabalho”, uma vez que “tudo teve de ser feito de raiz”. “Penso que foi quase um milagre criar todas estas condições, onde não havia nada, em termos de infraestruturas. Não era qualquer Município que o fazia”, afirmou.

O Agrupamento 681 de Sangalhos contou com cinquenta elementos. José Afonso Silva, Chefe do Agrupamento, sublinhou que “tudo correu bem” e que o Município de Anadia “está de parabéns” pela “transformação que conseguiu efetuar” naquele espaço para receber o ACAREG. “Quando vi o local pela primeira vez, nunca pensei que conseguíssemos criar as condições que foram criadas”, afirmou.

O responsável do Agrupamento de Sangalhos considerou ainda que “foi uma atividade espetacular”, que “todos gostaram”. “Da nossa parte, não temos nada apontar, antes pelo contrário”, frisou.

À semelhança de outros eventos realizados em Anadia, o ACAREG 2019 obteve também a classificação de ecoevento pela ERSUC. No local foram criadas as condições que se conseguisse reciclar todos os resíduos, com vários ecopontos.

Para além do Município de Anadia que criou todas as infraestruturas básicas, contribuindo com um grande apoio logístico, o ACAREG contou também o apoio da Freguesia de Avelãs de Cima e de várias entidades, mercê de uma parceria estabelecida, assim como da generosidade do proprietário do terreno que cedeu o espaço para ali criar o acampamento.

No que respeita à segurança esta foi garantida por várias associações do concelho, nomeadamente os Bombeiros Voluntários de Anadia, GNR, as Associações Florestais de Avelãs de Cima, Boialvo e Algeriz que se revezavam para garantir a segurança o espaço.

 

Fonte: Município de Anadia