“Estranhamente Tijuca: a essência de ser diferente” pretende levar uma “mensagem” para a avenida do Carnaval da Mealhada pelas “mãos” dos Amigos da Tijuca, escola de samba oriunda de Enxofães, no concelho de Cantanhede.

“O nosso tema alia os sentimentos aos sentidos, em que queremos passar uma mensagem, enquanto elementos de uma escola e coletividade”, explicou Gisela Oliveira, uma das carnavalescas dos Amigos da Tijuca na edição de 2019. Lúcia Covas, também carnavalesca, acrescenta que, entre outras expressões, a máxima é a de “todos diferentes, todos iguais”. “Vamos explorar de forma exagerada a diferença e igualdade”, enfatiza.

Um enredo não muito fácil de se transpor para a avenida. “É difícil falar de sentimentos, tornando-os percetíveis”, continua Gisela Oliveira, adiantando que, por isso, foi pensada uma forma, “um fio condutor, como que um elemento comum, que vai existir em todas as alas”. Será este elemento que vai explicar “o que une a essência de todo o nosso enredo”.

Cento e trinta elementos desfilantes, um número que cresce se se pensar em todo o staff que ajuda no percurso, e superior ao do ano passado, com a escola a levar foliões de vários pontos da região, maioritariamente Mealhada, mas também, por exemplo, de Mira e Coimbra.

“Apesar de ser uma escola nova (a última a ser criada), o nosso trabalho surte efeito e está a crescer a uma velocidade tão grande como as escolas mais antigas”, enaltece Rita Ramos, presidente da direção da escola.

 

MSL