A sessão extraordinária da Câmara da Mealhada, realizada ontem (26 de dezembro), ficou marcada pela ausência dos três vereadores da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada”, que alegaram, em nota enviada à comunicação social, que a reunião foi “convocada sem a observância dos preceitos legais do regimento da própria Câmara”, bem como do “Código do Procedimento Administrativo”. Rui Marqueiro, presidente da autarquia, alega que a reunião foi “regularmente convocada” e que os vereadores da oposição “têm falta injustificada”.

O edil adianta que a reunião de ontem foi convocada no passado dia 17, no decorrer da última sessão camarária e com concertação de todo o executivo, incluindo os três vereadores da oposição, tendo a ordem de trabalhos sido remetida na passada sexta-feira.

Mas Hugo Silva, da coligação, alega que não houve “possibilidade de obter esclarecimentos prévios sobre um dos temas imposto como extraordinário” e que irão “impugnar judicialmente qualquer decisão eventualmente produzida por esta reunião e esta ordem do dia”.

Rui Marqueiro adianta estar tranquilo. “Com esta atitude, os senhores vereadores da coligação não defendem os interesses do Município, demonstram que percebem pouco disto e que estão impreparados para assumir responsabilidades no futuro”, diz o autarca, garantindo que “todos os documentos estão bem instruídos” e que, não tendo conhecimento de que a oposição tenha tentado obter esclarecimento acerca de nenhum assunto, considera a ausência de ontem um ato de “má fé”.

 

MSL