Tudo começou há quase uma década quando os proprietários de um prédio, em Sangalhos, concelho de Anadia, contrataram uma advogada para ajudá-los a resolver um problema com os construtores do edifício que, ao que tudo indica, tinha defeitos nas obras.

«A advogada e as empresas chegaram a acordo, mas, alegadamente, sem o conhecimento dos ofendidos» escreve o Diário de Coimbra desta sexta-feira, dia 2 de novembro, adiantando que, entretanto, a advogada «foi acusada de falsificação de documento», uma vez que nenhum dos proprietários diz «ter assinado ou visto, sequer, o documento de acordo».

O início do debate instrutório, e segundo a mesma notícia, «já chegou a estar agendado duas vezes este ano, mas ainda não se realizou».

 

Texto de MSL

Imagem Free-Photos (pixabay.com)