Os gansos que “residem” no Lago do Jardim Municipal da Pampilhosa foram alvo de uma participação por parte de um munícipe à Junta de Freguesia, que garante que “durante uma caminhada, ia sendo atacado”. O assunto foi levado a reunião de Câmara, no passado mês de abril, tendo o executivo deliberado, por unanimidade, reforçar as medidas de prevenção com a colocação de placas e sensibilização para a forma como estes animais devem ser tratados. Agora, e por deliberação da Junta, a opção é a da deslocalização.

Rosalina Nogueira, presidente da Junta da Pampilhosa, esteve na reunião pública de abril, a expor o problema, tendo referido, nessa altura, que “os gansos foram colocados no lago por particulares” e que apesar de fazerem “muito barulho, são excelentes animais de guarda e ficam muito bem no lago”. Para a autarca estes animais “são mais bruscos quando estão na altura da reprodução”.

Após ter sido tornado público o assunto, a população manifestou-se, maioritariamente nas redes sociais. E se havia quem culpasse as pessoas por provocarem os animais, também havia quem dissesse que teria deixado de frequentar o Parque por causa deles.

31957248_2132411456776205_3593003300045193216_n (1)Ontem, dia 7 de maio, à reunião pública da Câmara da Mealhada foi levada a deliberação tomada pela Assembleia de Freguesia da Pampilhosa, no dia 19 de abril, onde se lê que a decisão tomada foi “a da deslocalização dos gansos para o lago do Canedo, para salvaguarda da segurança das pessoas e dos próprios animais, criando-lhes condições de habitat”.

Se para Arminda Martins, vereadora na autarquia, “havendo um problema, apenas se muda de sítio”, para Nuno Canilho, também vereador, é “confortável” cumprir o que a Assembleia deliberou, “sendo certo que vai sempre haver contestação”.

A sugestão acabou por ser acatada pelo executivo, ficando estipulado que a mudança dos animais fica a cargo da Junta de Freguesia.

Na sessão foi ainda aprovado o alargamento da delimitação da Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Luso e da Pampilhosa. O que se pretende, no primeiro caso, é chegar agora ao Cineteatro da localidade e, no segundo, à zona das antigas cerâmicas.

“O Município está a criar, por antecipação, estruturas para candidaturas a quadros comunitários que possam chegar no futuro”, disse, na sessão, João Rua, diretor geral da empresa de consultadoria, que fez as sínteses para as duas freguesias.

 

Mónica Sofia Lopes