Foi num jantar, repleto de homenagens, que se assinalaram os setenta e três anos do Grupo Desportivo da Mealhada, na noite do passado dia 7 de abril. Um momento ao qual se juntaram cerca de quatro dezenas de amigos, adeptos, elementos diretivos e jogadores do clube.

Foi no passado dia 4 de abril que o GDM cumpriu os setenta e três anos “de vida”, contudo, o jantar comemorativo só aconteceu no sábado, dia 7, no restaurante “Aristo Tempero”, na Mealhada, naquela que foi uma noite de homenagens.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

José Duarte Castanheira foi agraciado com uma medalha por ser “o sócio, vivo, mais antigo do GDM”. “Tenho ideia que é o sócio número três”, disse, ao «Bairrada Informação», Eduarda Pieters, presidente da direção do GDM.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

José Baptista, cobrador do clube, foi outro dos homenageados. “É uma pessoa que, há imensos anos, faz esta tarefa, de cobrar as quotas, por todos nós (dirigentes). Quisemos prestar-lhe uma grande consideração por este intenso trabalho”, continuou a dirigente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Outras duas homenagens focaram a equipa sénior do GDM: uma foi para o seu diretor – João Frutuoso – e outra para os atletas. “O senhor João Frutuoso é uma pessoa que, sozinha, faz tudo pelos seniores. Vai com eles para todo o lado, é apanha bolas quando é preciso,…, no fundo faz tudo por esta nossa equipa principal!”, enalteceu Eduarda Pieters.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Seguiu-se o tributo à equipa de seniores. “Muitos dos atletas que a compõem já vêm desde as camadas de formação do clube”, elogiou a dirigente, referindo que não passa despercebida à direção “algumas das conversas que vão ouvindo nos balneários”. “Muitos deles estão cá desde os dez anos. São efectivamente a história do nosso clube!”, disse.

Apesar de nenhum jogador da equipa sénior ter estado presente no jantar comemorativo, foi João Pedro Mariz, treinador da equipa, quem recebeu o galardão e o entregou, no dia seguinte, aquando do jogo semanal da equipa.

Eduarda Pieters não esconde que contava com mais pessoas no encontro, mas garante que “isso nunca será motivo para a não realização destes eventos”. “Com muitas ou poucas inscrições, estes convívios têm que acontecer. São muitos anos de vida, muitas histórias envolvidas”, concluiu.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografias de José Moura, com galeria em https://www.facebook.com/bairradainformacao/