O relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de outubro de 2017 “arrasa” com as ações, ou falta delas, por parte do Governo. Ontem, dia 23 de março no Bussaco, José Júlio Norte, presidente da Câmara de Mortágua, garantiu “não ter sido ouvido”.

“Os senhores que fizeram esse relatório não ouviram os presidentes das Câmaras de Mortágua e de Penacova, que são os responsáveis pela Proteção Civil dos seus Municípios. É no mínimo estranho que se faça um relatório sem ouvir os principais intervenientes”, lamentou.

E o autarca diz não ter dúvidas de que “o que aconteceu, naquele dia de outubro, foi um fenómeno”. “Um fogo que passou a Barragem da Aguieira, queimou as ‘ilhas’ existentes e chegou ao IP3, só pode ser um fenómeno”, declarou, aquando da assinatura de um protocolo intermunicipal que pretende “proteger” a Mata do Bussaco.

 

Texto de MSL

Fotografia de José Moura