O Cineteatro Messias, na cidade da Mealhada, tem, para os próximos três meses, um programa “ecléctico e concertado” que, para além de contar com artistas nacionais, continuará a ter também o habitual “cunho” concelhio. O cartaz cinematográfico continua e haverá até a introdução de cartazes infanto-juvenis, nas tardes de alguns domingos, que ficarão “quase de borla”. As novidades foram dadas, na manhã de 22 de fevereiro, em conferência de imprensa, naquela que o executivo camarário considera ser “a grande casa de espetáculos do concelho”.

“Gurillaz Showcase 2018” (a 3 e 4 de março), Vozes da Rádio (a 17 de março), concerto de Páscoa com a Orquestra da Costa Atlântica (a 31 de março), Fernando Tordo (com a participação da Filarmónica Pampilhosense a 7 de abril), teatro de revista com o fadista António Pinto Basto, Manuela Bravo e Luís Viegas (a 5 de maio) e dança / teatro infantil com a companhia AtrapalhArte (a 16 de maio) são os principais espetáculos do Cineteatro Messias, de março até maio.

“Havia a necessidade de se apresentar, com alguma antecedência, uma estratégia concertada e global de programação para este espaço”, começou por dizer Nuno Canilho, vereador na autarquia e coadjuvante do presidente no setor da Cultura, acrescentando que foi, assim, criado um “movimento ecléctico de espetáculos”, que procura também “chegar às preferências dos munícipes da Mealhada”.

Mas para além da panóplia de espetáculos com teor nacional, “há depois os que a Câmara apoia, o Cineteatro acolhe, mas que é feita por agentes locais”. “Continuamos abertos às coletividades e, por isso, articularemos e conciliaremos as ‘nossas’ ofertas com as da comunidade”, enfatiza Nuno Canilho, dando como exemplo o teatro “O Tartufo”, da Aguarela de Memórias, que sobe ao palco a 28 de abril.

E haverá até a possibilidade de muitas das associações concelhias interagirem com os artistas nacionais, como será o caso do espetáculo de Fernando Tordo, que conta com a participação da Filarmónica Pampilhosense. “Queremos que isto aconteça mais vezes e até já temos isso articulado para os meses seguintes ao deste trimestre”, disse o autarca.

Para o público mais jovem haverá redução de preços, nas matines de domingo, sempre que forem exibidos filmes infanto-juvenis. “Queremos incentivar o gosto pelo cinema e trazer os jovens para este espaço”, referiu Rui Marqueiro, presidente da Câmara, garantindo querer “trazer artistas que interajam com o público, com a população”.

Para além da sala de espetáculos, o Cineteatro Messias tem também um espaço para exposições, à qual lhe será dá “mais vida”. “Exposições nacionais, feitas pelos serviços da Câmara ou por entidades concelhias…”, continuou Nuno Canilho, acrescentando que, “no mês de abril, haverá uma realizada pelos serviços da autarquia, com o apoio da Associação de Aposentados da Bairrada, sobre os cento e cinco mealhadenses que foram à 1.ª Guerra Mundial e sobreviveram”. E outra “sobre os trezentos e noventa anos da construção do Convento de Santa Cruz”.

O cinema continuará a ter um papel fundamental na “vida” do espaço cultural e a prova disso, refere, “é o facto de para a próxima semana termos em exibição um filme, que está a estrear hoje”. “Em novembro tivemos, inclusive, uma estreia nacional”, disse.

E Benvinda Rolo, técnica na autarquia, acrescentou que, segundo dados da Lusomundo, “o Cineteatro Messias tem um número bastante elevado de público relativamente a outras salas do país”.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia de José Moura