“Para quê só dizer mal, se há tanto bem para dizer?”. Foi esta a principal intenção da Câmara Municipal da Mealhada ao adquirir dois Livros de Elogios e um outro em formato digital. “Existe preconceito sobre o trabalho do funcionário público e do autarca, que muitas vezes leva à crítica fácil, e é também isso que queremos desmistificar com esta aquisição”, disse, na tarde de 16 de fevereiro, Guilherme Duarte, vice-presidente da autarquia, na cerimónia de apresentação do Livro de Elogios, garantindo: “Queremos ver o trabalho de todos reconhecido!”.

Foi para uma plateia, maioritariamente constituída por funcionários municipais da Mealhada, que Cristina Leal, autora do Livro de Elogios, explicou a necessidade deste existir, até porque “eu própria a tive”, disse. “Criei-o há cinco anos, em plena altura de crise. Hoje são centenas (mais de setecentos e cinquenta) de livros espalhados por todo o país: hospitais públicos e privados, câmara municipais, juntas de freguesia, agrupamentos de centros de saúde,…”, referiu, na passada sexta-feira, no auditório da Biblioteca da Mealhada.

Cristina Leal garante que há “muito bem para dizer” e a prova disso é que “há entidades que já compraram dois e três livros”. “Esta publicação fez uma mudança profunda nas mentalidades”, disse a sua autora, defendendo a dualidade: “É bom termos livro de reclamações, mas também é bom termos o de elogios. Há noite e há dia. Há saúde e há a doença. Há o bem e o mal….”. Para além disso, diz Cristina Leal, garante que “quanto maior equidade houver no sistema, melhor se está!”.DSC04946

“Há uma crença, com a qual discordo totalmente, de que o que está bem não é preciso dizer, mas se for mal feito, já é! Com este livro começa-se a perder o medo de elogiar e ser elogiado”, acrescentou a criadora do “Livro de Elogios”, que vai mais longe na defesa do elogio a cada pessoa: “Os serviços não existem sem pessoas. E é tão bom elogiar nomes….”.

Cristina Leal tem formação em psicologia transpessoal, programação neuro-linguística e coaching sistémico; é ainda conferencista e escritora. Ao «Bairrada Informação», e depois de mais de setecentos e cinquenta Livros de Elogios espalhados por todo o país, a autora faz um balanço positivo da experiência, garantindo que “ainda há muitos elogios por fazer… Esta era uma necessidade na sociedade”.

Ao adoptar este livro, a Câmara da Mealhada pretende “impulsionar o reconhecimento, pela positiva, da atividade autárquica, nomeadamente da excelência no atendimento público dos munícipes”.

Haverá dois exemplares físicos, um nos Paços do Concelho e outro em local ainda por designar, bem como será criada uma área no sitio da internet da autarquia, onde os munícipes poderão fazer o seu elogio.

 

Mónica Sofia Lopes