A vencedora da segunda edição do Troféu Joham d’Oliveira, em 2018, foi a escola de samba Sócios da Mangueira, da Póvoa da Mealhada, repetindo a proeza do ano anterior. “Constituímos uma ‘máquina’ forte que fez com que tudo isto fosse possível. Estou muito orgulhosa!”, declarou, ao «Bairrada Informação», Inês Machado, carnavalesca da “Mangueira”, escola que vence, assim, pela oitava vez uma avaliação do Carnaval Luso Brasileiro da Bairrada.

O Carnaval da Mealhada 2018 trouxe a repetição do Troféu Joham d’Oliveira, um concurso que avaliou o desfile das quatro escolas de samba, na tarde de 13 de fevereiro, e que é organizado por estas em conjunto com a Associação de Carnaval da Bairrada.

Amigos da Tijuca, Batuque, Real Imperatriz e Sócios da Mangueira foram “postas à prova” em dez quesitos por um painel de vinte e cinco jurados, “escolhidos” pelas cinco entidades que organizam o concurso.

IMG_7271E as votações finais resultaram numa pontuação máxima de 298,2 para os Sócios da Mangueira; 296,5 para os Amigos da Tijuca; o Batuque arrecadou 296,2; e a Real Imperatriz 286,7. Para além disso, houve pontuações máximas em alguns quesitos: a Mangueira obteve “nota 30” no Samba-enredo, Enredo e Conjunto; e os Amigos da Tijuca no Enredo.

Houve ainda valores altos que se destacaram. O Batuque, por exemplo, atingiu 29,8 na Bateria e 29,9 no casal Mestre-sala e Porta-bandeira. A “Tijuca” obteve também 29,9 na Harmonia, Comissão de frente e Mestre-sala e Porta-bandeira; e 29,8 nas Alegorias e Adereços. Já os Sócios da Mangueira conseguiram 29,9 no Mestre-sala e Porta-bandeira, 29,8 na Bateria e Evolução e 29,7 nas Fantasias.

“Correu tudo muito bem e foi feito um trabalho inovador. Quando vejo as imagens, vistas de cima, dos Sócios da Mangueira a desfilar, parece que estou a ver um ‘mini-carnaval’ do Brasil”, disse ainda Inês Machado, carnavalesca da escola nos últimos dois anos e disposta “para continuar a trabalhar”. “Nós nunca paramos!”, concluiu.

O Troféu Joham d’Oliveira é uma homenagem a um dos fundadores da escola de samba mais antiga do Carnaval Mealhada – os Sócios da Mangueira – falecido em dezembro de 2016 e que, segundo a ACB,  tinha “ideias e visão, à frente do seu tempo”, tendo, por isso, contribuído “de forma significativa para a evolução do Carnaval como um todo”.

Em 2018, o Troféu foi criado pela artista mealhadense Suzie Peterson, que já foi autora de cenários das cantoras Luísa Sobral e Aurea.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galerias de fotografias, de José Moura e Rodrigo Mortágua, em http://www.facebook.com/bairradainformacao/