Um edifício na Rua Dr. José Cerveira Lebre, na cidade da Mealhada, foi alvo de um pedido de licenciamento para alteração e ampliação do mesmo. O assunto foi discutido, na manhã de 5 de janeiro, pelo executivo da Câmara Municipal, que deliberou que a intervenção não poderá afetar a fachada do prédio, uma vez que se trata de “património azulejar”, que remonta à segunda metade do século XX.

O padrão do azulejo do edifício em questão, que levou os vereadores da autarquia ao local, durante a reunião pública do Município, encontra-se, pelo menos, em mais três edifícios na Mealhada e serão uma réplica do que se fazia em Lisboa, há algumas décadas.

Assim, se por um lado o Regime Jurídico da Urbanização e Edificação estabelece “mecanismos de proteção do património azulejar”, por outro a Direção Geral do Património Cultural / Museu Nacional do Azulejo e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / Rede de Investigação em Azulejo – parceiros “SOS Azulejo” – ainda não têm “disponível o documento com a listagem de critérios de apreciação”, que servirá “de orientação às equipas camarárias”.

Arminda Martins, vereadora na Câmara, defendeu que “a pouca história que temos, deve ser preservada ao máximo”. “Sei que os comerciantes vão achar que não queremos modernizar, mas a Mealhada tem pouca história, o que, na medida do possível, deveríamos preservar”, afirmou a autarca, acrescentando que “a história do povo é feita de um pouco de tudo”.DSC04913

Ana Felgueiras, da Divisão de Gestão Urbanística do Município da Mealhada, explicou que, nestes casos, “cabe um pouco à opinião de cada um”. “O edifício em causa, isoladamente, não tem valor, mas se o colocarmos num conjunto da época, já tem! Manter aquele azulejo naquela fachada poderá ser importante no futuro”, referiu a técnica superior, acrescentando, contudo, “não ter formação para dizer se tem ou não valor”.

Depois de visitado o local, o executivo deliberou, por unanimidade, manter a fachada azulejar, seguindo as diretrizes dadas pelas técnicas da autarquia.

 

Mónica Sofia Lopes