Cefaleia é o termo clínico usado para dor de cabeça e existem várias formas diferentes da sua manifestação, podendo dividir-se em primárias e secundárias. As primárias são aquelas que, por si só, constituem a doença como as cefaleias de tensão e as tão conhecidas enxaquecas! As cefaleias secundárias são aquelas que se manifestam como sintoma de outras doenças ou condições, como traumatismo craniano, gripe, crise de hipertensão arterial ou hipoglicemia, etc.

Estima-se que as enxaquecas afetem cerca de  10 a 15% dos cidadãos dos países ocidentais* (incluindo Portugal), e as suas manifestações condicionam de forma intensa a produtividade e o dia-a-dia de quem sofre desta patologia.

O desconforto causado pela enxaqueca não se resume à dor, sendo esta muitas vezes acompanhada de náuseas, vómitos, sensibilidade à luz e ao som ou mesmo ao odor. A dor da enxaqueca é, frequentemente, hemicraniana (predominante num dos lados da cabeça), agrava com o esforço físico e por vezes é antecedida de fenómenos sensoriais, visuais (cegueira parcial ou visão de pontos luminosos, por exemplo), auditivas (perda de capacidade auditiva), motores (parésia), entre outros. A estas sensações premonitórias se chama aura, e normalmente decorre durante 30 a 60 minutos antes do início da enxaqueca propriamente dita.

Na Medicina Tradicional Chinesa (MTC) classificamos as cefaleias consoante as suas características, atribuindo a sua origem a determinado órgão ou a uma deficiente irrigação sanguínea ou energética (podemos equiparar à irrigação nervosa das estruturas corporais). Relativamente ao órgão afetado, para a MTC, grande maioria das enxaquecas estão relacionadas com alterações do fígado, que, na visão oriental justificam o quadro de náuseas, tonturas e alterações da visão. Deste modo, aquilo que a MTC procura fazer no tratamento da enxaqueca é promover a correta irrigação sanguínea e energética (ou nervosa) tanto ao órgão associado, como à própria cabeça, aliviando sintomas e, mais do que isso, tratando directamente a raíz do problema, por meio, principalmente da acupuntura e com recurso, por vezes, à fitoterapia.

Nas enxaquecas, a Medicina Tradicional Chinesa pode ajudar de forma bastante eficaz e, normalmente, com necessidade de poucas sessões de tratamento.

 

Paula Gradim

Especialista de Medicina Chinesa

 

 

(*) http://portaldasdoencas.com/enxaqueca/