Faleceu, a 26 de dezembro de 2017, Orlando da Silva Batista, com noventa e cinco anos, natural da Mealhada, onde residia.

O “senhor Orlando”, como é conhecido pela comunidade mealhadense, foi o obreiro do Café Central, em 1931, na Mealhada, espaço que continua em funções, adaptado à nova realidade, pelas “mãos” do seu neto, Marco Breda.

Na página do “Central Café”, na rede social Facebook, pode ler-se:

 

“Desde 2006 até hoje que tento todos os dias não deixar cair esta casa que sempre, desde há muitos anos, une diversas gerações e é um ponto de encontro para tanta gente. E isso era o maior orgulho que o meu avô tinha, a continuidade que fui dando adaptada aos novos tempos, mas continuando o mesmo lema!

Durante estes doze anos sofreu e sorriu comigo, passou pela tristeza e pela alegria a par comigo e por isso foi um grande companheiro nesta já longa viagem que hoje para ele termina nos seus noventa e cinco anos, com a certeza que esteja onde estiver vai continuar a estar sempre presente, os meus amigos também já eram os dele e todos eles eu sei,sentem este momento, porque o ‘Amigão’ como muitos carinhosamente o tratavam sempre teve um sorriso para eles e uma palavra de amizade e todas as outras pessoas que são nossas clientes se habituaram a ver o ‘sr. Orlando’ ali sentado a conviver!”.

 

Nas redes sociais, as condolências à família vão surgindo por parte de clientes, amigos, familiares e também o Grupo Desportivo da Mealhada se mostrou “de luto” pelo falecimento do seu sócio número um.

No vídeo, que publicamos, sensivelmente a partir dos dois minutos pode ver-se o testemunho de Orlando Batista sobre a criação do G.D.M, onde, entre muitas outras coisas, refere ser “100% mealhadense” e um apaixonado pelo futebol.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia Facebook “Grupo Desportivo da Mealhada”