O Bloco de Esquerda apresentou hoje, dia 15 de dezembro, vinte e cinco propostas para o Plano de Atividades e Orçamento de 2018 da Câmara Municipal da Mealhada.  «Elas significam melhores condições ao nível da Saúde e Ação Social, Serviços Públicos, Ambiente, Acessibilidades e Qualidade de vida, Educação, Bem-estar animal e Justiça nas relações laborais», lê-se num comunicado de imprensa de Dilan Granjo, membro da Comissão Coordenadora Distrital de Aveiro do partido e candidato à autarquia mealhadense nas eleições em outubro passado.

Dilan Granjo lamenta, contudo, «a forma como foi desenrolado o processo de auscultação dos partidos ao abrigo do estatuto da oposição». «Isto porque, sendo que a reunião de câmara é já segunda-feira, dia 18, o executivo discutirá um orçamento que não está sujeito a alteração mediante quaisquer propostas apresentadas hoje», acrescenta a mesma nota.

No mesmo documento, o Bloco de Esquerda resume algumas das propostas, que passamos a transcrever:

 

Ao nível da ação social, verificamos que o orçamento é baixo, representando cerca de 1% da despesa orçamental. Por isso o Bloco identifica a subida de 1% para 5% como uma medida importante para a melhoria da justiça social no concelho da Mealhada. Propomos também a criação do Programa Oficina Domiciliária, que consiste num programa de consertos e melhorias em habitações dos munícipes com carência económica e idosos com dificuldades, de modo a garantir uma melhor qualidade de vida e um maior conforto.

Na área dos serviços públicos e mobilidade, se as contas do Município estão de boa saúde como habitualmente é referido pelo executivo, a mudança do modelo de gestão privada para os transportes públicos municipalizados é uma questão fundamental para suprir as necessidades no âmbito da mobilidade. Defendemos assim um modelo de transporte público municipal, que sirva efetivamente toda a população do concelho e a resolução das problemáticas relativas às barreiras arquitetónicas que dificultam a vida às pessoas com dificuldades de locomoção.

Propomos que a Câmara Municipal da Mealhada possibilite a gratuitidade dos manuais escolares pelo menos, numa primeira fase, até ao terceiro Ciclo. Neste momento é necessária a construção de abrigos de qualidade para as crianças e adolescentes que estudam na EB 2 e 3 da Mealhada, pois há falta de instalações que possibilitem o bem-estar em alturas de mau tempo.

Por fim, propostas como a construção de um canil municipal e a inclusão dos trabalhadores em regime precário nos quadros da autarquia, fazem do documento apresentado pelo Bloco de Esquerda, uma possibilidade de viragem nas “políticas para o Excel” do executivo de Rui Marqueiro que só governa para propagandear que não tem dívida. O objetivo em aumentar o investimento da autarquia nestes setores, passa por melhorar as condições de vida da população do concelho da Mealhada que tem vivido sobre o domínio da governação do Partido Socialista.