A moxabustão é uma técnica terapêutica que faz parte das disciplinas da Medicina Tradicional Chinesa e que consiste na aplicação de calor pela combustão de uma planta (Artemísia Sinensis), cujo calor penetra em profundidade nos tecidos corporais provocando efeitos que podem ajudar no tratamento de várias patologias.

Há várias formas de aplicação da moxabustão:

  • Regional: aumentando o metabolismo e promovendo os mecanismos daí decorrentes, como: vasodilatação e consequente oxigenação de tecidos, relaxamento muscular, sintetização de vitamina D e aumento da capacidade de absorção de cálcio.
  • Pontual: aplicada em pontos específicos cujos efeitos vão depender dos locais escolhidos, podendo variar entre pontos gatilho, que promovem o relaxamento muscular, pontos associados a dermátomos1, que actuam sobre o funcionamento visceral ou outros pontos específicos que têm acção sobre órgão ou glândulas endócrinas.
  • Qualquer das formas de aplicação estimula o sistema nervoso parassimpático.

Os benefícios da moxabustão aplicam-se de várias formas:

  • A vasodilatação que promove aumenta o metabolismo na região onde se aplica estimulando as trocas gasosas e assim ajudando a oxigenar as células de forma mais eficaz. Desta forma é benéfica em contracturas musculares e indicada no desporto, nomeadamente em lesões e em grupos musculares com produção de ácido láctico2
  • A sintetização da vitamina D vai agir sobre a fixação do cálcio nos ossos e nutrir melhor os músculos e ligamentos. Por este motivo a moxabustão é indicada em doentes com osteoporose, produção deficiente de cálcio ou no apoio após fraturas ósseas (desde que não aplicada em fase aguda de edema ou inflamação dos tecidos).
  • Melhora a função intestinal quando aplicada em alguns pontos do abdómen e distais, pois promove o peristaltismo.
  • Ajuda a redução de sintomas pré-menstruais devido ao efeito sobre o metabolismo hormonal.
  • Atua no funcionamento visceral através do estímulo do calor sobre os dermátomos, pois as fibras nervosas que os compõem vão agir sobre as vísceras que enervam, podendo melhorar assim o funcionamento de estruturas como o estômago, fígado e vesícula biliar, etc.
  • Regulam a produção hormonal, dado que o estímulo da maioria dos pontos de acupunctura (que são usados como base para aplicação pontual da moxabustão), melhoram as funções do hipotálamo.
  • Promovem a reacção do sistema nervoso autónomo pois, constituindo um estímulo externo e estranho ao organismo, simula um quadro de ameaça que o obriga a responder, nomeadamente com opiódes endógenos (efeito analgésico).

Normalmente a moxabustão é aplicada juntamente com outras técnicas, nomeadamente a acupunctura, servindo como um potenciador importante dos seus efeitos. Esta técnica não pode ser aplicada de forma indiferenciada, pois há quadros clínicos em que é contra-indicada, pelo que deverá procurar sempre um profissional devidamente qualificado.

 

1  –  áreas da pele que inervadas por fibras nervosas que se originam nos gânglios nervosos dorsais e seguem os trajectos de irrigação nervosa de vísceras e órgãos.

2 – resíduo metabólico da actividade física intensa que permanece nos músculos e no organismo podendo condicionar o desempenho físico (desportivo ou não) do atleta.

 

Paula Gradim

Especialista de Medicina Chinesa