Chama-se Beatriz Cortesão é de Santa Luzia (Barcouço) e está a estudar harpa na Civica Scuola di Musica Claudio Abbado, uma escola privada de Milão, em Itália. A jovem, de dezanone anos, precisa, até às 18 horas desta sexta-feira, dia 10 de novembro, que todos os esforços sejam canalizados para uma angariação “crowfunding”* que está a fazer e que a não acontecer pode condicionar, de certa forma, “o sonho que tem desde criança”. Às 13h 34m desta quinta-feira, o apoio de Beatriz está a 740 euros de atingir os “ansiados” seis mil euros.20031650_1924928214395279_7700028358697219696_n

“O que pretende Beatriz Cortesão, que concluiu este ano a formação em harpa no Conservatório de Música de Coimbra, é angariar seis mil euros, de um total de trinta e três que precisa, em três anos, para prosseguir os estudos, agora com uma licenciatura”, lê-se no Diário de Coimbra de 16 de outubro de 2017.

Hoje, quinta-feira, dia 9 de novembro, o «Bairrada Informação» falou com Beatriz Cortesão, aquando da sua pausa para almoço, que nos manifestou contentamento «por nesta altura ter já 5.260 euros». «Falta tão pouco para atingir a meta dos seis mil euros», confessa Beatriz Cortesão, que diz ter saído de Portugal com o apoio da Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais (onde se situa o Conservatório de Música de Coimbra), “que financia as viagens de avião no primeiro ano”.

Beatriz Cortesão confessa-nos estar “a gostar muito da escola e da Professora Irina Zingg (harpista profissional)”, que foi a principal razão por esta jovem se deslocar do seu país. “Para onde ela fosse, eu iria também. É fantástico trabalhar todas as semanas com ela e já estou a sentir os resultados das aulas”, confessa-nos a jovem harpista, que garante “estar muito motivada e contente”.

 

Mas que meta de “crowfunding” é esta? Saiba mais em https://ppl.com.pt/prj/beatriz-cortesao-harpista

 

*O crowdfunding é um sistema simples de financiamento colaborativo, disseminado especialmente pela internet, que consiste numa modalidade de investimento onde várias pessoas, através de doações anónimas, investem pequenas quantias de dinheiro em determinada ideia de negócio ou projeto. O objetivo é “dar vida” à sua ideia, que poderá estar relacionada a um projeto cultural, empresarial ou de carácter social (http://www.e-konomista.pt).

 

Imagem de Lukasz Klimezak