O Luso, tal como tinha acontecido na última reunião, voltou a ser tema na Assembleia Municipal da Mealhada, que se realizou na noite do dia 19 de setembro. O presidente da Câmara da Mealhada foi questionado, por um munícipe, sobre os investimentos feitos na freguesia nos últimos anos.

Óscar Carvalho, residente no Luso, deslocou-se à reunião para questionar Rui Marqueiro sobre os investimentos efetuados no seu mandato, mas também tirar algumas dúvidas sobre os projetos que estão em marcha: estacionamento à entrada da vila e ante-projeto da Sala Polivalente, nomeadamente, o número de lugares neste último.

“Nas últimas reuniões a que assisti fala-se sempre em investimentos de milhões no Luso, que eu gostava que fossem justificados”, apelou o munícipe, questionando também se o estacionamento do Luso “não tinha há já alguns anos um projeto elaborado”.

Elencando as obras no Luso, nos últimos quatro anos, o edil referiu-se, entre outras, “ao Centro Escolar do Luso, que teve um valor de mais de um milhão de euros; setecentos mil euros para a segunda fase da reabilitação urbana; campo sintético cerca de trezentos mil euros; cento e vinte e cinco mil euros para arranjo da estrada da Cruz Alta; duzentos e três mil euros para a requalificação da aldeia de Várzeas; quarenta e dois mil euros para a cobertura do Mercado do Luso; obras na sede da Junta de Freguesia no valor de trinta e três mil euros; e noventa e dois mil euros para a segunda bancada do Pavilhão Municipal do Luso”.

Já sobre o estudo prévio para o parque de estacionamento localizado na entrada principal da vila, o presidente da autarquia referiu “existir (anterior ao seu atual mandato) um desenho para aquela área, mas não um projeto de execução”. “Com um desenho ninguém faz obra nenhuma!”, disse sobre o espaço onde, e segundo o arquiteto do estudo, haverá uma área de intervenção de “cinco mil e setecentos metros quadrados, onde três mil serão de áreas verdes”.

Sobre a Sala Polivalente, Rui Marqueiro adiantou ter “a lotação de trezentos lugares”.

Luís Brandão, da bancada da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada”, questionou também o autarca sobre o facto de “estarmos em plena Semana Europeia da Mobilidade e o site da Câmara não ter informação sobre isso” e, ainda, se havia algum desenvolvimento “sobre o estudo falado há nos sobre uma rede de transportes, à qual outros municípios vizinhos já aderiram”.

Rui Marqueiro respondeu que sempre considerou “a Semana da Mobilidade uma demagogia, onde no caso da Mealhada, apenas se fechava uma rua”. “Nós em vez de a fecharmos uma semana, resolvemos colocá-la pedonal”, continuou o edil, adiantando também que há “um estudo feito sobre a rede de transportes, entregue na Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra”.

“Ainda hoje vi, num Município vizinho, um autocarro junto a uma Estação. Saíram vinte e cinco pessoas do comboio e nenhuma entrou nesse autocarro…», concluiu.

 

Fotografia de José Moura