O programa de “Animação Cultural Luso 3050” vai no seu sexto ano de existência e o balanço não podia ser mais positivo: um programa diversificado, de qualidade e que cada vez atrai mais público, desde turistas até aos munícipes locais. Sara e Inês Seabra, da AquaCristalina Associação, entidade cordenadora do projeto de animação, garantem que, “segundo um estudo efetuado em 2015, a oferta cultural e de atividades ‘pesa’  na escolha, pelos turistas, de um local para se visitar e passar uns dias”.

“Este é um projeto de animação cultural e artístico que foi desenvolvido para dar resposta ao turismo do Luso e atividades complementares à estadia dos turistas”. Quem o garante é Inês Seabra, que afirma que “o leque de ofertas é muito diversificado e destina-se desde as crianças até aos seniores”.

As atividades para além de serem todas na rua, são gratuitas. Já o público varia muito de atividade para atividade: “Temos os de cá, os turistas, mas também um público de toda a região, muito fiel, que reconhece qualidade no programa”.

A diferença do primeiro ano, para agora “é muito grande”. “Ao longo dos anos fomos construindo um público e, portanto, se no passado ter setenta, oitenta pessoas era bom. Hoje representa uma atividade mais pequena”, explica Inês Seabra, que aposta muito na divulgação do programa no alojamento local da vila, “onde os turistas dormem”.

O programa (de Verão e Natal) é apoiado pela Câmara da Mealhada, em sessenta mil euros; pela Junta de Freguesia do Luso, em dez mil euros; sendo os restantes dez mil de fundos adquiridos pela Associação AquaCristalina. “Por estarmos a falar de valores altos, quisemos, em 2015, fazer um inquérito aos participantes das nossas atividades para termos um suporte com dados estatísticos e apresentar às entidades que nos apoiam”, explica Inês Seabra, que garante que “a escolha do destino para onde se vai passa também por perceber as atividades que são oferecidas”.

“Por outro lado, a maioria das pessoas vêm da cidade, principalmente da região de Lisboa (Cascais, Oeiras,..) e estão habituadas a mais cultura do que nós. O grau de exigência que temos com isso é muito maior. Não podemos defraudar as expectativas de quem visita o Luso”, confessa ainda.

Mas vamos ao programa. Na noite do passado sábado, dia 22 de julho, “foi a vez do teatro encher o espaço da Fonte de São João, com ‘Viúva Papagaio’, criado a partir do conto de Virgínia Woolf ‘A Viúva e o Papagaio’. Um projeto satélite da companhia Circolando, do Porto, que conta com a interpretação de Graça Ochoa, que é ao mesmo tempo viúva e papagaio”, explica Sara Seabra.

Passando para agosto, dia 5, a noite será de “Circuito Artístico”, com cinema, curtas de teatro, música e artes plásticas. “Vamos ter o público a circular pelas ruas, com cenários espalhados nos locais mais inusitados da vila”, explica Sara Seabra, acrescentando que decorrerão espetáculos de quinze minutos dentro de casas: Vila Aurora e Casa Balau. “Vai ser uma noite radicalmente diferente, onde estarão sempre acontecer espetáculos”.

A 12 de agosto, atuam, na Alameda do Casino, os Tranglomango e Káustica, Transe Sinfónico; e a 19 de agosto, na Fonte de São João, Jazz Brasil. Em setembro, destacam-se, no dia 16, o teatro “A Ilha Desconhecida”, por Trigo Limpo Teatro da Associação Cultural e Recreativa de Tondela; e a 23, os Gaiteiros de Lisboa.

Há ainda a oportunidade de participar nas Rotas das Casas Senhoriais, Água, Árvores, Nocturna e Fotográfica, através do correio electrónico geral@livingplace.pt.

O programa completo, que tem atividades todos os fins de semana, até ao final do mês de setembro, pode ser visto em www.luso3050.pt.