A sala de espetáculos do Cineteatro Messias, na cidade da Mealhada, foi pequena para “receber” a comunidade escolar, participante na vigésima oitava edição das Escolíadas Glicínias Plaza, que se juntou na tarde do passado sábado, para a Gala de entrega de prémios. Um “encontro” marcado pela novidade de que a Associação vai “alargar” a zona de actuação, uma vez que “viu” aprovada uma candidatura ao Portugal 2020, que “obriga” a que participem mais de trinta escolas já em 2018.

A tarde do passado dia 10 de junho foi marcada pela Gala das Escolíadas, um evento que coloca “à prova” alunos e professores nas áreas da cultura, artes plásticas, dança, música e teatro e que, este ano, sagrou como vencedora a Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima, de Esgueira. Dividido por três Polos dos distritos de Aveiro, Coimbra e Viseu, o evento contou com doze sessões, onde estiveram vinte e uma escolas participantes no festival artístico.

“Este ano, houve uma alteração e as escolas só ficaram a saber os resultados no final de cada sessão e não de cada prova. Isso fez com que o espírito de união e o ambiente de diversão tenha sido mais intensificado”, declarou ao «Bairrada Informação», presidente da direção da  Escolíadas – Associação Recreativo-Cultural, enfatizando que “houve sempre muita ajuda entre as escolas”.

O dirigente, ao «Bairrada Informação», faz um balanço muito positivo do evento de 2017, com mais de dois mil alunos e professores a participarem, ao todo, e ainda “perto de sete mil pessoas que assistiram às sessões”. “No Desfile de Claques não conseguimos se quer dizer um número porque as entradas eram livres, mas garanto que estavam muitas pessoas”, disse ainda.

Cláudio Pires, no final da Gala, adiantou ainda à “comunidade escoliástica”, que o evento vai alargar. “Foi aprovada uma candidatura que fizemos ao Portugal 2020, em que o valor é considerável e que nos vai ‘obrigar’ a ter mais um Pólo e mais de trinta escolas a participar”, explicou o dirigente.

Ao «Bairrada Informação», o mentor das Escolíadas disse ainda que falamos de “um valor de mais de cem mil euros, que será exclusivamente para a melhoria da participação das escolas no evento, nomeadamente, para material, refeições, transportes,…”. “Não sabemos ainda se o alargamento vai acontecer para o norte do país (Porto) ou interior (Guarda)”, afirmou.

A tarde de sábado, à qual se seguiu um jantar de convívio, na Mealhada, com mais de trezentos participantes, serviu também para que alunos e professores manifestassem as suas opiniões sobre o evento.

“Neste evento os alunos adquirem competências mesmo fora da sala de aula. Obrigada às Escolíadas”, disse uma professora da Escola de Mortágua. E os alunos apoiam com expressões “do tipo”: “Aqui formam-se grandes amigos, grandes famílias”. E ainda: “Fizemos muitas amizades e muitos laços. A Mealhada é espetacular!”.

Guilherme Duarte, vice-presidente da Câmara Municipal da Mealhada e responsável pelo pelouro da Educação, declarou, durante a Gala, que “a Educação não é um gasto, mas sim um investimento”. “As Escolíadas são muito importantes para o desenvolvimento escolar dos alunos e é obrigação da autarquia apoiar o evento, o Agrupamento de Escolas da Mealhada e a Escola Profissional Vasconcellos Lebre”, concluiu ainda.