O “estado” da educação no concelho da Mealhada esteve “em cima da mesa” do Salão Nobre dos Paços do Concelho, na tarde do dia 3 de maio, aquando do Conselho Municipal de Educação. O facto de os alunos terminarem os cursos profissionais e não quererem logo começar a trabalhar, bem como a situação de a Escola Profissional Vasconcellos Lebre e a Secundária da Mealhada “partilharem” um curso idêntico, no próximo ano lectivo, foram os temas mais “acesos” do encontro, que contou com uma representante da Direção-Geral dos Estabelecimentos Gerais.

“Até há dois, três anos conseguíamos colocar os alunos no primeiro emprego muito rapidamente. Agora, as ofertas existem, mas os alunos quando terminam os cursos ou querem ir tirar a carta ou querem esperar por um estágio profissional ou qualquer outra coisa”, disse Nuno Canilho, diretor geral da EPVL, lamentando que haja esta “fixação” por um estágio profissional. “Um estágio profissional é uma alternativa ao desemprego e não um contrato de emprego”, disse.

“Hoje temos uma Bolsa de Empregos que não conseguimos satisfazer, nomeadamente, nas áreas de restauração, informática e mecânica”, continuou Nuno Canilho, relembrando que “quanto mais tarde os jovens começarem a trabalhar, pior será para as suas vidas profissionais”.

O “problema” já levou a que o diretor geral da EPVL tomasse uma medida: “De há uns tempos para cá, as ofertas que vão para os alunos, vão também para os encarregados de educação. Claro que isto do ponto de vista da maturidade é um retrocesso no trabalho de vinte e cinco anos da escola, mas é o que tem que ser feito…”.

“Uma questão” que a representante da DGEstE, Ana Botinas, disse ser “transversal à realidade de outros concelhos”.

Outro dos temas desenvolvidos na reunião e “levado” por Nuno Canilho foi a questão da EPVL e da Escola Secundária da Mealhada, no próximo ano letivo, irem ter um curso idêntico: o de Desporto. “Vamos estar a disputar alunos para o mesmo curso, o que não me parece bem”, começou por dizer o diretor da EPVL, que garante ter avisado Fernando Trindade, diretor da Secundária, da sua intenção de candidatura e que este não se opôs à iniciativa, “muito pelo contrário”.

“Nos últimos três anos, reunimos sempre com o professor Guilherme Duarte (vice presidente da Câmara da Mealhada) e conseguimos alcançar os objetivos. Este ano, atingimos uma ‘maturidade’, prescindimos do professor e o resultado foi este….”, lamentou Nuno Canilho, garantindo: “Se soubesse o que sei hoje, nunca me tinha candidatado a este curso”.

O dirigente fez ainda uma perspetiva do que, “na sua opinião”, irá acontecer: “O professor Fernando Trindade vai ter alunos provenientes do Agrupamento que dirige e eu vou ter alunos de outros concelhos, até porque a Mealhada é vista como um concelho em que se respira Educação e, portanto, é fácil ter alunos de fora, o que não invalida que seja de lamentar ‘disputarmos’ o mesmo curso”.

Um curso aprovado pela DGEstE às duas instituições de ensino e que Fernando Trindade diz “ter condições ao nível de infraestruturas para a prática de Desporto”.