A Fundação Mata do Bussaco (FMB) vai apresentar, nos dias 24 e 25 de junho de 2017, o “I Festival de Artes para Crianças”, designado de “Catrapim”. Durante dois dias, em sete palcos dispersos pela floresta do Bussaco (Luso, Mealhada), irão decorrer, das 14h às 19 horas, espetáculos de teatro, música, marionetas, poesia, “showcooking” (com produtos da Mata), arte circense e outras artes ferformativas.

No palco “A brincar com os sons”, na Fonte de Samaritana, a companhia de teatro Catrapum, Catrapeia irá apresentar o teatro musical “Som a som, tom a tom” e uma performance com a “Mala mágica”.medronho

Em outro palco “A selva na mata”, nas Portas de Coimbra, o Agrupamento de Escolas de Eiras (Coimbra) irá apresentar a peça “Era uma vez na selva”.

Junto às garagens do Palácio do Bussaco, no palco “Floresta encantada”, a Associação de Jovens Cristãos de Luso irá apresentar o teatro musical “Flor Maria e as gotinhas da vida”.

Perto do Cedro de S. José (o cedro mais antigo da Europa, plantado em 1644), no palco “Amigos da Natureza”, será a vez do grupo de teatro “A fonte de Murtede” apresentar a peça “O amigo José”.

No palco “O mundo das marionetas”, junto ao Pretório, o conceituado Jakas encarregar-se-á de um espetáculo de marionetas que promete ser imperdível.

Na Via-Sacra (junto ao Passo da primeira queda de Cristo), no palco “À volta com as palavras”, o contador de histórias André Madaleno apresentará o espetáculo “Palavras mágicas”.

Na Fonte do Carregal, no palco “Musicar o Mundo”, será apresentado, pelo Mar e Samba, o teatro musical “Xpto”.

O sétimo palco do Catrapim, denominado “Petiscos para todos os gostos”, será montado também na Fonte do Carregal, para acolher o chef do Grande Hotel de Luso e o projeto Sardinha Fora da Lata, que irão proporcionar uma experiência gastronómica única. O chef fará uma oficina de bolachas, para as crianças meterem mãos na massa e cozinharem e provarem as suas próprias iguarias. Já o projeto Fora da Lata assegurará uma experiência com cozinha vegetariana.

“Terminar em grande” será apoteose nos dias 24 e 25 de junho

Os dois dias do festival de artes Catrapim encerrarão com um grande espetáculo nos jardins do Palácio do Bussaco, onde estará montado o palco “Terminar em grande”. Será uma performance musical, cordenada por um maestro ligado à Casa da Música do Porto, que irá envolver/mobilizar todo o público presente (crianças e adultos). Para o efeito, a Fundação Mata do Bussaco convida todos os visitantes a fazerem-se acompanhar de uma garrafa ou um garrafão vazio, podendo colocar no seu interior algo que ajude a produzir som. Em alternativa, o público pode levar um qualquer instrumento acústico. A ideia é encerrar cada um dos dias do Festival de Artes do Bussaco com uma “mob” em apoteose.

Na primeira noite do festival, haverá um concerto musical, na escadaria dos jardins do Palácio do Bussaco, com “The Greyhounds James’ Band”, uma banda com influências de blues e rock.

“Catrapim” alia-se às boas práticas ambientais

Recorde-se que o Catrapim é uma iniciativa cultural e artística desenvolvida pela Fundação Mata do Bussaco e co-produzido pela Associação Escolíadas, que só é possível levar a efeito graças aos apoios da Fundação Jumbo para a Juventude e da Câmara Municipal da Mealhada e às colaborações de escuteiros, bombeiros, autarcas, escolas, associações.

De acordo com o presidente da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato, “este primeiro Festival de Artes para Crianças será um evento aberto ao público em geral, pensado para famílias com filhos menores, que garantidamente proporcionará dois dias divertidos e dinâmicos na floresta”.

“Será um momento inesquecível. Nesse dia iremos também apresentar ao público as nossas mascotes, em tamanho humano, que pretendem representar a fauna e flora do Bussaco. Uma será uma ‘caricatura’ do esquilo e outra do medronho”, explica, entusiasmado, o líder da Fundação.

António Gravato lembra que o acesso aos espetáculos é gratuito: “Ninguém terá de pagar bilhete para ver o Catrapim. Apenas cobraremos os bilhetes normais de entrada de veículos na Mata, como é habitual em qualquer dia do ano. E quem quiser apenas assistir ao concerto musical na noite de 24 de junho, nem a entrada na Mata terá de pagar. Portanto, estão criadas todas as condições para o 1.º Festival de Artes do Bussaco ser um enorme êxito, que pretendemos repetir anualmente por esta mesma altura”.cartaz_a4_catrapim

O Catrapim é um festival de artes que associa a vertente cultural/artística à ambiental, porquanto “obriga” a que o público pratique boas ações, de defesa da Natureza, e demonstre ter conhecimentos sobre boas práticas ambientais se quiser ter acesso aos vários espetáculos que irão decorrer na floresta. Isto porquê? Porque será facultado um passaporte a cada criança, que terá de ser carimbado pelo staff do Catrapim de modo a permitir a livre circulação entre os vários palcos dispersos pela Mata. Para cada criança obter o carimbo, terá de saber separar o lixo, praticar uma boa ação ambiental ou responder a questões sobre boas práticas ambientais.

“A Câmara da Mealhada não podia deixar de estar associada a um festival com estas características tão peculiares e tão importantes. É o primeiro evento do género a ser realizado no nosso concelho, ainda por cima numa Mata Nacional mágica, com uma riqueza dispersa por cento e cinco hectares de floresta única, com uma fauna e flora fabulosas. Aliar a isto a arte, a cultura, é uma oportunidade soberana para dar a conhecer a mais pessoas a imponência do Bussaco, o seu palácio majestoso, a única via-sacra no mundo à escala de Jerusalém, o convento de Santa Cruz”, afirma o presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro.

 

Fonte: Fundação Bussaco