Bom dia Sr.ª Presidente da AM

 

Olá Mariana , Olá Lourenço , Olá Virgilio

 

Meus senhores e minhas senhoras

 

Portugal vive hoje em Liberdade, em Democracia porque a 25 de Abril de 1974 , tinha eu 5 anos , um grupo de militares, libertou o nosso país da repressão de uma Ditadura, restituindo a uma grande maioria dos Portugueses o sonho de viver uma sociedade mais livre , participativa e solidária.

Numa sociedade livre e democrática será sempre de relevante valor existirem cidadãs e cidadãos com interesse pelas questões de natureza política, questões que são essenciais para que cada um de nós, possa escolher de maneira consciente e informada aquelas que se nos apresentam ser as que melhor defendem os interesses do colectivo. Quer seja através de actos eleitorais, quer seja através de outros atos de participação cívica, quer seja na gestão da coisa pública.

Uma democracia só sobrevive se todos os cidadãos, participem de forma honesta e activa na discussão e decisão dos assuntos que dizem respeito ao bem comum e à comunidade. Tal participação não se faz apenas nos palcos políticos, faz-se essencialmente no seio das nossas famílias, nas associações da sociedade civil, nas estruturas partidárias , junto dos nossos amigos, em todo lado.

Hoje, também por aqui no nosso Burgo , como costumo designar o nosso Concelho, frequentemente assistimos ao ataque sobre aqueles que se dedicam à causa publica e à participação cívica activa.

Nunca esqueçamos que Abril de 1974, conferiu aos cidadãos portugueses o direito a participar, sem olhar ao seu género, à sua religião, à sua cultura ao seu estatuto social, muito menos à sua cor e à diferença.

Talvez seja este estatuto que leve alguns, ainda bem que poucos, a tentarem fazer passar a todo o custo, que quem participa de forma cívica na vida publica e política, é gente de menor valor , é gente incapaz, gente sem valores nem princípios, gente como alguns apelidam de “ são todos uns corruptos”.

Todos é uma palavra muitas vezes utilizada de forma abusiva e até leviana, mas talvez só aconteça porque Abril existiu.

É verdade que também os há, corruptos , mas para os julgar temos a Justiça . E, num estado democrático não devemos embarcar em julgamentos de praça pública, essa forma de estar não corresponde em nada ao direito da Liberdade Responsável que Abril nos conferiu.

Porque esses que se dedicam , que participam , que têm uma ideologia político-partidária assumida , são cidadãos da sociedade civil, não são seres extraterrestres ……. São cidadãos da mesma sociedade civil de onde vão proliferando movimentos de cidadãos independentes, que se dizem sem ideologia, como se não fossem os seus ideais que os comandassem.

Da mesma sociedade onde muitos se unem, escondendo bandeiras partidárias mas caminhando na sua sombra, não tendo a coragem de se assumirem como verdadeiros independentes, julgando que o Povo não percebe…

Mas também isto, meus caros também isto só é possível porque nos foi restituída a 25 de Abril de 74 a Liberdade, a tal Liberdade Responsável.

Essa é a verdade!

E por ser verdade é que devemos em memória daqueles que fizeram Abril de 74, que arriscaram as suas vidas as suas carreiras profissionais, assinalar este dia e fazer lembrar ás gerações vindouras que nem sempre assim foi , que nem sempre o Povo Português se pode expressar, socializar e até conviver como hoje, nem sempre foi possível que todos pudéssemos entrar num espaço como este, onde hoje nos encontramos.

Cada um de nós , enquanto cidadão livre , detém a responsabilidade e o dever de contribuir para que o nosso sistema democrático não seja ferido como já vamos vendo acontecer em alguns sistemas por esse mundo fora, que caminham para os extremismos.

Que cada um de nós nunca esqueça nem deixe de relembrar ou ensinar que a LIBERDADE significa RESPONSABILIDADE e que a LIBERDADE que cada um de nós acaba quando começa a do outro.

Viver em Democracia é viver e termos a possibilidade de nos exprimir de forma livre e com a liberdade suficiente que nos concede o direito de dizer aos outros o que eles não querem ouvir.

Uma liberdade que exigimos para os que pensam como nós, mas que exigimos também de forma igual para com os que discordam daquilo que cada um de nós pensa.

Liberdade é assumir a responsabilidade daquilo que diz , que se faz, respeitando o próximo da mesma forma que exigimos respeito para connosco.

Não é de forma alguma , aquilo a que algumas vezes vamos assistindo, também por aqui, onde alguns falam e escrevem em total liberdade, sim em total liberdade conferida por Abril, sem o mínimo de sentido de responsabilidade e de respeito pelos outros, lançando boatos, deturpando palavras , actuando na sombra , actuando muitas vezes no anonimato.

Por o puderem fazer de forma livre , nem se dão conta , que ao fazê-lo estão a coarctar a liberdade dos outros através de insinuações vis e manipulações, manifestando um total desprezo pela mesma liberdade que lhes permite dizer o que dizem, e escrever o que escrevem . A liberdade que tantas e tantas vezes, afirmam defender sem limites ou concessões.

Para esses, o 25 de Abril ainda não cumpriu a sua missão, nem nunca irá cumprir se desistirmos de o assinalar de o lembrar e de o honrar. E é por isso que cada um de nós tem o papel de defender a liberdade até às últimas consequências e de contribuir para que não a assassinem , mas sim para que a aperfeiçoem.

A LIBERDADE não nasce com cada um de nós, ela conquista-se.

VIVA O 25 DE ABRIL.

 

Arminda Martins