Meio milhão de visitantes/ano até três anos após a classificação do Bussaco como Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) é a meta que a Fundação Mata do Bussaco e a Câmara Municipal da Mealhada consideram perfeitamente alcançável caso a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura aprove a candidatura que foi publicamente apresentada, na tarde de 16 de março, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), e que será submetida a apreciação superior no prazo máximo de um ano.

“O ‘Deserto dos Carmelitas Descalços e Conjunto Edificado do Palace do Bussaco’ congregam um património de incomensurável valor cultural, histórico, patrimonial, religioso, militar e natural. Há aqui uma riqueza fabulosa e única, no seu género, em todo o Mundo. Ora, tendo a UNESCO inventado, em 1972, a noção de Património Mundial para proteger os sítios de valor universal excecional, com os excelentes resultados publicamente conhecidos, consideramos que é de elementar justiça que o Bussaco mereça esta distinção”, considera Rui Marqueiro, presidente da Câmara Municipal da Mealhada.

Para além do prestígio e da justiça da classificação UNESCO, o presidente da Fundação Mata do Bussaco, António Gravato, fala em números: “em 2016, mais de duzentas e cinquenta mil pessoas, provenientes de cinquenta países, visitaram a Mata Nacional do Bussaco, o que representou um aumento de entradas na ordem dos nove por cento face a 2015. Acreditamos que, com o selo de Património Mundial e a avaliar pelos exemplos de Coimbra, Sintra, Porto, Alto Douro Vinhateiro, e Guimarães, iremos registar um aumento de procura, num horizonte de dez anos, de trezentos por cento”.

“Acreditamos que, para além do prestígio da distinção e da justiça do reconhecimento por parte da UNESCO, a classificação do Bussaco trará vantagens demográficas (aumento do número de fluxos migratórios, maior mobilidade e envolvimento das comunidades locais – Luso-Bussaco-Mealhada – em operações integradas e geração de valor identitário das populações à volta da Mata Nacional do Bussaco”, afirma Rui Marqueiro.

O autarca fala também em vantagens ambientais: “aumento da capacidade de preservação, conservação e proteção dos recursos florísticos; reforço das iniciativas de investigação na proteção da Mata Nacional do Bussaco; capacidade de prevenção na gestão de recursos hídricos inerentes ao microclima; potenciação de consciencialização ambiental das comunidades locais e visitantes”.

O presidente da Câmara da Mealhada salienta ainda as vantagens socioeconómicas decorrentes do selo UNESCO: “aumento da capacidade de atração do território envolvente à Mata (Luso, Mealhada, Aveiro e Coimbra); geração de riqueza no consumo de serviços e produtos locais e regionais; capitalização dos jovens com formação académica e profissional especializada; fixação de novos residentes na região, decorrente da criação de negócios”.

Por último, Rui Marqueiro sublinha as vantagens turísticas: “geração de emprego decorrente do aumento da procura em serviços de apoio ao turista; reforço do posicionamento do Centro de Portugal no Património Mundial da UNESCO; aumento da capacidade de criação de negócios do cluster turístico e de visitação (alojamento, restauração, animação e accomodities/ facilities)”.

António Gravato lembra que “o Bussaco é uma paisagem construída pelo Homem, não só pela importação e plantação de espécies arbóreas e arbustivas indígenas e exóticas, como também pela construção de elementos arquitetónicos de diferentes períodos da História portuguesa, configurando a Mata numa simbiose perfeita do trinómio Homem-Natureza-Cultura”.

“Após a classificação da UNESCO, acreditamos que, no prazo de dez anos, iremos passar das atuais mil camas para mil e quinhentas, e das atuais oitenta mil dormidas anuais para cento e sessenta mil, o que contribuirá para um aumento importante na percentagem de dormidas registadas na região Centro”, afirma o presidente da Fundação.

 

Fonte: Fundação Mata do Bussaco